2018: Eleições legislativas e autárquicas em São Tomé no meio da crise económica

O ano de 2018 em São Tomé e Príncipe será marcado por eleições legislativas, autárquicas e regionais, com a oposição bloqueada por divisões internas e a Ação Democrática Independente (ADI, no poder) a enfrentar dificuldades económicas.

O primeiro-ministro, Patrice Trovoada, quer um segundo mandato com maioria absoluta, alegando que tem projetos que não conseguiu concluir nos últimos quatro anos.

"A única vitória tem de ser maioria absoluta", disse Patrice Trovoada em outubro, quando a ADI completou três anos de poder.

Em 2014, o povo deu a Patrice Trovoada o Governo, a assembleia nacional (parlamento) e cinco das seis câmaras municipais do país. Em 2015, a ADI conquistou também a Presidência da República, um feito nunca conseguido por qualquer outro partido ou dirigente politico no país.

No entanto, as expectativas que o eleitorado tinha ainda não se cumpriram e o primeiro-ministro já admitiu dificuldades na concretização de muitas das promessas.

No entanto, o responsável disse que tem "possibilidades objetivas" de ganhar as próximas eleições e já assumiu publicamente que é candidato à sua própria sucessão.

Nas eleições de 2018, a oposição deverá contestar a política económica, dando prioridade ao aumento de custo de vida, que se reflete no aumento do índice da pobreza que atualmente atinge 63% da população contra 54% de há cinco anos.

O principal partido da oposição, o Movimento para a Libertação de São Tomé e Príncipe (MLSTP-PSD), tem estado mergulhado numa crise interna que deverá terminar num congresso desde sempre rejeitado pela atual direção, liderada por Aurélio Martins.

Em janeiro, visita o país o Presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, retribuindo a visita oficial do seu homólogo a Lisboa, este ano.

Numa altura em que o Governo do primeiro-ministro Patrice Trovoada critica a cooperação com Portugal, essa visita pode trazer uma nova dinâmica nas relações entre os dois estados, marcadas pelo desenvolvimento de um Programa Estratégico de Cooperação (PEC) financiado por Lisboa em 54 milhões de euros por um período de cinco anos.

Também em janeiro entra em vigor a nova variante da moeda nacional, a dobra com menos três zeros. A velha moeda irá depois ser progressivamente retirada do mercado.

Ainda em 2018, São Tomé e Príncipe acolhe pela primeira vez os jogos da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), uma competição que junta modalidades como futebol, voleibol ou atletismo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.