10 junho: Porto vai receber investimento de 50 milhões para pesquisa em biotecnologia

O primeiro-ministro preside na terça-feira, na Universidade de Standford, em São Francisco, Califórnia, à assinatura de um protocolo de investimento de 50 milhões de euros para o desenvolvimento da pesquisa na Escola Superior de Biotecnologia do Porto.

De acordo com o programa provisório da visita de António Costa aos Estados Unidos, a cerimónia de assinatura deste contrato terá lugar ao fim da manhã, na Stanford Hoover Institution, e envolverá o AICEP (Agência para o Comércio Externo de Portugal) e a multinacional norte-americana Amyris, em consórcio com a Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica do Porto.

A Amyris tem-se destacado na investigação e desenvolvimento de fontes de energia alternativas ao petróleo e tem como presidente executivo um lusodescendente, John Melo.

Nesta sessão, o primeiro-ministro fará uma breve intervenção sobre o tema "Investir em Portugal em Tecnologias de Informação, energias limpas e ciências da vida".

O dia de terça-feira de António Costa será em grande parte passado no vale de São José, junto a São Francisco, começando de manhã com uma visita à tecnológica Cisco, que tem mais de 400 unidades de negócio em todo o mundo e que já emprega em Portugal 380 pessoas.

Ao início da tarde, o primeiro-ministro visita a Google em Silicon Valley, onde, entre outras iniciativas, assistirá a demonstrações de produtos na área da automação de ponta que estão a ser desenvolvidos por esta multinacional norte-americana, como a "Machine Learning", ou "aprendizagem de máquinas" - uma tecnologia que deverá permitir a prazo carros sem condutor nas estradas, ou instrumentos que geram relatórios ou notícias automaticamente a partir de um conjunto de dados.

A Google, cujo volume de negócios atingiu em 2017 os 100 mil milhões de euros, está a abrir em Oeiras uma unidade de negócio.

Um dos momentos considerados mais importantes é a reunião do primeiro-ministro com os principais responsáveis do Silicon Valley Bank, no final da qual fará uma breve intervenção sobre tecnologia e empreendedorismo em Portugal.

O Silicon Valley Bank é considerado uma instituição de referência como fonte de financiamento de projetos de inovação tecnológica, razão pela qual, nesta mesma sessão, vão estar presentes representantes de startups portuguesas já com escritório na região de São Francisco.

O programa de António Costa na Califórnia, entre a noite de segunda-feira e quarta-feira, que terá uma acentuada componente económica, prevê também contactos com investidores norte-americanos na área do agroalimentar.

Na quarta-feira, ao início da tarde, o primeiro-ministro visita uma fábrica da corticeira Amorim instalada em Napa Valley, a zona de maior produção de vinho da Califórnia. O investimento da corticeira Amorim para o fornecimento de rolhas é considerado o maior nacional em volume de negócios no mercado norte-americano.

Ao fim da tarde deste dia, num Estado norte-americano classificado como uma potência no domínio das exportações agrícolas, o primeiro-ministro fará um breve discurso sobre as oportunidades dos investidores californianos no "agronegócio" em Portugal.

Fonte do executivo português adiantou à agência Lusa que o Alqueva, a prazo, poderá receber um investimento com origem na Califórnia, na ordem dos 200 milhões de euros, para plantação de amendoeiras.

Na Califórnia, no domínio do agroalimentar, destacam-se igualmente vários empresários lusodescendentes nos ramos dos lacticínios e, mais recentemente, em produções de batata doce.

Ainda no que respeita à componente económica da visita, em Nova Iorque, última etapa de António Costa nos Estados Unidos, vai realizar-se semanário económico intitulado "Portugal novas fronteiras".

Após o secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, o primeiro-ministro falará perante uma plateia de empresários e investidores financeiros um discurso sobre a evolução macroeconómica de Portugal nos últimos anos e sobre ambiente de negócios existente no país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.