Instituto Camões e Embaixada em Roma lamentam morte da professora Giulia Lanciani

O instituto Camões e a Embaixada de Portugal em Roma lamentaram hoje a morte da professora Giulia Lanciani, considerando que foi "uma referência ímpar" na ligação entre os dois países.

Giulia Lanciani, que morreu na quarta-feira aos 83 anos, foi académica, investigadora, tradutora e docente de língua portuguesa em Itália.

"A professora Giulia Lanciani deixa um contributo científico e académico de excelência e, sobretudo, um legado de amor à língua, às literaturas e às culturas de língua portuguesa", refere o Camões - Instituto da Cooperação e da Língua em comunicado enviado à agência Lusa.

O documento acrescenta que o Estado português reconheceu esse "percurso único" em outubro de 2010, ao conferir-lhe o título de Grande Oficial da Ordem do Infante Dom Henrique.

"Recebeu igualmente, ao longo da sua carreira, vários prémios e doutoramentos 'honoris causa' pela Universidade Nova (2003) e a Universidade Clássica de Lisboa (2011)", acrescenta.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.