Incêndios: Veterinários ajudam a preservar ovelhas da Serra da Estrela

A Ordem do Médicos Veterinários (OMV) quer ajudar a preservar os ovinos autóctones da Serra da Estrela, ameaçadas pelos incêndios de outubro de 2017, ao abrigo de dois protocolos celebrados hoje, em Coimbra.

O apoio da OMV, liderada pelo bastonário Jorge Cid, passa pela entrega de mais de 21.200 euros à Associação Nacional de Criadores de Ovinos da Serra da Estrela (ANCOSE) e à Associação Agropecuária de Vale de Besteiros (AAPVB), com sedes em Oliveira do Hospital e Tondela, cujo objetivo é o repovoamento de ovelhas de raças regionais cujo leite é usado na produção do queijo com denominação de origem protegida (DOP) Serra da Estrela.

"Todos fazemos um esforço muito grande para que nenhum destes animais seja vendido para consumo", no caso das fêmeas, disse Jorge Cid à agência Lusa, realçando a importância de os criadores e queijeiros poderem repor os efetivos dizimados pelos fogos de 15 e 16 de outubro, garantindo que as genuínas ovelhas bordaleiras e outras da região terão continuidade no futuro.

Estas ovelhas deverão ser destinadas apenas à reprodução e à consequente produção de leite, a matéria-prima do queijo e do requeijão DOP Serra da Estrela, em cujo território também o borrego está certificado com denominação de origem protegida.

Na opinião do bastonário da Ordem do Médicos Veterinários, importa "não perder este património genético nacional, que ficou em risco" na sequência dos incêndios.

A reposição dos anteriores níveis de produção do queijo certificado Serra da Estrela demorará vários anos, mas a qualidade não foi afetada pelos incêndios, assegurou a direção da ANCOSE à Lusa, há duas semanas.

Idêntico protocolo foi assinado, na manhã de hoje, em Pedrógão Grande, distrito de Leiria, entre a OMV e autarquias da região, "para ajudar ao repovoamento" de pequenos ruminantes nesta "zona fortemente afetada pelos trágicos incêndios" de junho do ano passado, segundo uma nota da instituição.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?