Incêndios: Fogo de Sintra e Cascais combatido por 707 operacionais às 06:15

O incêndio que deflagrou no sábado na serra de Sintra, Lisboa, estava a ser combatido por 707 operacionais e 207 meios terrestres às 06:15, quando se aguarda o nascer do sol para atuarem os meios aéreos pesados.

Os números divulgados pela Autoridade Nacional de Proteção Civil, no seu sítio na Internet, revelam a dificuldade em controlar um fogo que afetou os concelhos de Sintra e de Cascais, cujo combate tem sido dificultado pelos fortes ventos registados na zona.

O fogo provocou ferimentos ligeiros em dois bombeiros, afetou uma casa de habitação e obrigou à retirada de 47 pessoas de casa, informou hoje a Proteção Civil.

"Temos dois bombeiros feridos leves, que não inspiram cuidados, foram assistidos no local. E temos danos confirmados num veículo ligeiro e num anexo de madeira que ardeu na Figueira do Guincho e numa casa de habitação e dois anexos na zona da Biscaia", disse o comandante distrital de Lisboa da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), André Fernandes.

O comandante distrital falava hoje de madrugada, durante um encontro com os jornalistas nos Paços do Concelho, em Cascais, convocado pela câmara e pela ANPC para fazer um ponto de situação do incêndio que deflagrou no sábado à noite, na zona da Peninha, na serra de Sintra.

"Temos meios em todo o perímetro do incêndio e não há nenhuma frente que não tenha meios a combate", assegurou.

De acordo com o comandante distrital, a dificuldade principal foi o vento, "especialmente entre a meia-noite e as 02:00, 03:00".

"Um vento muito forte, com rajadas na ordem dos 100 km/hora, que levou a uma progressão exponencial da frente de fogo", detalhou.

Foi nessa altura, explicou, que houve necessidade de "fazer evacuações preventivas" do parque de campismo de Cascais, na Biscaia, Figueira do Guincho, Almoinhas Velhas e Charneca, tendo sido ainda necessário evacuar alguns clubes hípicos.

André Fernandes disse que no combate ao fogo estão envolvidos corpos de bombeiros do distrito de Lisboa, com um reforço do distrito de Santarém e de Setúbal e também de um grupo da força especial de bombeiros.

As entidades envolvidas nas operações foram ainda a Câmara de Sintra e a Câmara de Cascais, bem como o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), a GNR, a PSP, o INEM e a Segurança Social Distrital.

Das 47 pessoas que foi preciso retirar das suas casas, 17 foram deslocadas para a sociedade recreativa da Malveira da Serra e 30 para o pavilhão dramático de Cascais.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.