Greve/Professores: Madeira regista adesão de 50% e centenas protestam nas ruas do Funchal

Cerca de 400 professores manifestaram-se hoje, no Funchal, contra a proposta de Orçamento do Estado para 2018, que não contabiliza nove anos de serviço na progressão na carreira, no âmbito da greve que regista uma adesão superior a 50% na região.

"Temos taxas de adesão muito acima dos 50% e mesmo escolas secundárias muito conservadoras em termos de greve, como a Jaime Moniz e a Francisco Franco, estão com valores na casa dos 30%, muito superiores à anterior greve da administração pública. É praticamente o dobro", disse o coordenador do Sindicado dos Professores da Madeira, Francisco Oliveira.

O protesto começou junto à Assembleia Legislativa da Madeira e terminou em frente à Secretaria da Educação, no centro da capital madeirense.

"Podemos dizer que o que vemos hoje aqui é uma surpresa, porque não é comum uma manifestação como esta no Funchal. Os professores estão mesmo descontentes", vincou Francisco Oliveira, realçando que "não vamos baixar os braços" enquanto não for feita a regularização da carreira, nomeadamente a contagem do tempo de serviço, interrompida há uma década.

O sindicalista realçou, ainda, que a contagem de serviço na Região Autónoma da Madeira pode ser regularizada independentemente do que venha a acontecer ao nível nacional.

"A nossa situação é totalmente regional", afirmou Francisco Oliveira, sublinhando que o secretário regional da Educação, Jorge Carvalho, se comprometeu, hoje mesmo, em entrevista ao JM-Madeira, a avançar com o processo.

"Vamos obrigá-lo a cumprir aquilo que prometeu. Nós queremos mais do que palavras e esta promessa não pode ficar por este dia", alertou o sindicalista, que depois se deslocou à Secretaria da Educação e à Vice-Presidência do Governo Regional da Madeira, onde entregou um documento com as reivindicações e propostas dos docentes.

Quando os manifestantes se encontravam em frente à Assembleia Legislativa, Francisco Oliveira anunciou que o sindicato vai iniciar, a partir desta quinta-feira, reuniões com os vários grupos parlamentares para debater os problemas do setor, exceto com o PSD, o partido maioritário, que ainda não respondeu ao pedido de audiência, situação que motivou uma grande vaia por parte dos professores.

O protesto dos docentes foi, de resto, bastante ruidoso, repleto de bandeiras e tarjas e palavras de ordem como "Hoje a aula é na rua".

Segundo os dados do sindicato, a adesão à greve varia entre os 100%, sobretudo nas escolas do 1.º, e os 30% nas grandes escolas secundárias do Funchal.

A Agência Lusa contactou a Secretaria Regional da Educação mas, até ao momento, não dispunha de dados sobre a adesão ao protesto.

A greve geral dos professores decorre da não contagem do tempo de serviço prevista na proposta do Orçamento de Estado para 2018 (OE2018), que será debatida hoje no parlamento.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG