Governo define verba máxima de 1,4 ME para Centro de Apoio à Vida Independente

O Governo definiu uma verba máxima de 1,4 milhões de euros para a criação de um Centro de Apoio à Vida Independente (CAVI) para permitir haver mais equipamentos e distribuídos por todo ao país.

As candidaturas para os Centros de Apoio à Vida Independente, que podem ser constituídos por organizações na área da deficiência ou por grupos de pessoas com deficiência, começaram a 22 de março e estendem-se até 07 de maio, sendo a dotação orçamental de cerca de 36 milhões de euros.

"A opção que fizemos prende-se com a questão de não podermos de forma alguma apoiar ilimitadamente alguns em detrimento de outros", afirmou hoje a secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência na Comissão do Trabalho e da Segurança Social.

Nessa medida, "aprovámos uma verba máxima de 1,4 milhões de euros, que permite que tenhamos um número mínimo de CAVI a funcionar que nos permita extrair resultados e aponte qual o caminho que podemos e devemos seguir no período final após estes três anos ao nível da legislação da vida independente", explicou Ana Sofia Antunes.

Segundo a governante, um Centro de Apoio à Vida Independente que não tivesse qualquer tipo de limitação orçamental poderia custar perto de cinco milhões de euros, o que significaria que havia condições para funcionarem cinco CAVI nas zonas norte, centro e Alentejo.

"A nosso ver, isto não nos permitia extrair resultados credíveis e sólidos sobre aquilo que deve ser a vida independente", que é "muito mais do que uma visão isolada sobre as necessidades de um determinado grupo de pessoas com deficiência sobre aquilo que precisam ao nível da vida independente", disse, respondendo ao deputado do Bloco de Esquerda José Falcão.

Ana Sofia Antunes explicou que o valor definido como montante máximo permitirá que cada CAVI determine dentro de um universo, que pode ir de 10 a 50 pessoas, quantas pessoas pode apoiar "24 horas por dia sete vezes por semana", o que terá um custo aproximado de 150 mil euros por pessoa.

Poderá ainda determinar quantas pessoas poderá apoiar em modalidades distintas de tempo de apoio.

"Esta modalidade propicia que possamos ter vida independente num número aproximado de cerca de 20 CAVI distribuídos de norte a sul do país, do interior ao litoral, e não ter vida independente focada apenas em quatro ou cinco pontos do país", frisou Ana Sofia Antunes.

Sobre as regras das candidaturas, afirmou que "foram devidamente e atempadamente divulgadas".

"Contrariamente àquilo que encontrámos à nossa chegada e que passava pela disponibilização de fundos para modelos de apoio à vida independente de cerca de 15 milhões de euros, conseguíssemos que essa verba fosse ampliada e estão a concurso só a nível do POISE, nas regiões do norte, centro e Alentejo, o valor de 25 milhões de euros", adiantou.

Seguir-se-á a região de Lisboa, com montantes de cerca de sete milhões de euros, e a do Algarve, disse a secretária de Estado na comissão parlamentar, onde foi ouvido o ministro do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social durante quatro horas.

O Modelo de Apoio à Vida independente visa disponibilizar assistência pessoal a pessoas com deficiência com 16 ou mais anos e com grau de incapacidade igual ou superiora a 60%, exceto para a deficiência intelectual, perturbações do espetro do autismo e doença mental, onde não há limite de grau.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?