Festival Vivarium regressa ao Porto com Tim Hecker e Elizabeth Brown

O festival Vivarium, que cruza várias artes performativas, vai voltar ao Porto entre 28 e 30 de março, anunciou hoje a organização do evento que revelou os músicos Tim Hecker e Elizabeth Brown nas primeiras confirmações.

"Com um programa que cruza as áreas da música, performance, dança interativa, artes visuais e new media e pensamento, o evento ambiciona abrir um debate sobre as divergências e convergências entre Inteligência Natural e Inteligência Artificial", referiu a organização em comunicado.

Para além de Hecker e Brown, o Vivarium vai contar também com o produtor Proc Fiskal, a artista Jung in Jung, a bailarina e coreógrafa Dasniya Sommer, para além de uma exposição coletiva que "revisita o arquivo fotográfico" do Maus Hábitos, "casa-mãe" do festival que este ano se estende a outros espaços como Passos Manuel, Ateneu Comercial e Reitoria da Universidade do Porto.

O Vivarium vai também incluir uma oficina em "realidade mista", orientada por Isabel Valverde, e uma conferência em filosofia sob o mote "Criar conceitos -- Seguir regras: Um diálogo improvável entre Deleuze e Wittgenstein", mediada por Sofia Miguens Travis.

A primeira edição do Vivarium realizou-se no ano passado com o objetivo de discutir a relação entre a cultura humana e a cibernética, através de 'performances', conversas, exposições e música.

Na altura, a curadora Marianne Baillot explicou à Lusa que o Vivarium, a acontecer de forma anual, vai ser dotado de uma "abordagem multidisciplinar" que pretende que o evento vá além das artes visuais e se foque no lugar do corpo no contexto da sociedade atual.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.