Exposições "Astray" e "Anuário" abrem programação de 2019 na Galeria Municipal do Porto

A exposição "Astray", da francesa Caroline Mesquita, e a retrospetiva de arte no Porto "Anuário", comissariada por João Ribas e Guilherme Blanc, abrem, a 16 de março, a programação anual da Galeria Municipal, anunciou hoje a autarquia.

O projeto "Anuário" de 2019 é uma "exposição que de certa forma dá uma visão de retrospetiva das atividades culturais do Porto em 2018 no campo das artes performativas e das artes plásticas", explicou à agência Lusa o antigo diretor do Museu de Serralves João Ribas.

"Decidimos ter um 'Anuário' porque achamos que o período de um ano é um período de grande concentração, de grande atividade, e conseguimos pôr em contexto este desenvolvimento cultural nas várias áreas em que o Porto tem uma atividade cultural muito forte e muito marcante e criar uma espécie de visão dessa atividade com um grupo de curadores convidados", explicou João Ribas, que vai também comissariar a representação de Portugal na Bienal de Arte de Veneza deste ano.

Miguel Flor, Joana Machado, Joaquim Durães, José Maia e Rita Castro Neves são os curadores da exposição "Anuário", que vai ser inaugurada no próximo dia 16 de março.

No mesmo dia, é também inaugurada na Galeria Municipal a exposição "Astray", que "combina a escultura e a imagem em movimento", com curadoria de Sofia Lemos e é comissariada pela Kunsthalle Lissabon.

Ao longo de 2019, com um orçamento de 450 mil euros, a Galeria Municipal do Porto vai receber também as exposições "De outros espaços", no âmbito da parceria com a Fundação EDP, e "Desertado. Algo que acontece pode acontecer novamente", de Maria Trabulo, ambas com inauguração agendada para dia 08 de agosto.

A exposição "Millenials -- Design do Novo Milénio", com curadoria de José Bártolo, vai ser inaugurada para 09 de setembro e é uma reflexão sobre a "condição milenar", que se foca nos projetos e processos de trabalho dos 'designers' 'millenials', nascidos nas décadas de 1980 e 1990, e propõe uma reflexão sobre os que os caracteriza e o que os diferencia.

A programação de 2019 na Galeria Municipal do Porto termina com a apresentação do projeto de Uma Certa Falta de Coerência "9kg de oxigénio" e o concurso "Expo'98 no Porto", que atribui duas bolsas para a realização de duas exposições no espaço da galeria entre 2019 e 2020.

Em 2018, a Galeria Municipal do Porto recebeu 115 mil visitantes, mais 25 mil visitantes que 2017.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.