Exposição mostra mais de 20 artistas nacionais e internacionais em São Miguel

Ribeira Grande, Açores, 30 abr 2019 (Lusa) -- A exposição "O olhar divergente -- As residências do Pico de Refúgio como património prospetivo", que reúne obras de mais de 20 artistas nacionais e internacionais, inaugura quarta-feira no Arquipélago -- Centro de Artes Contemporâneas, em São Miguel.

A exposição, que conta com a curadoria de Miguel von Hafe Pérez, reúne trabalhos multidisciplinares de artistas que estiveram em residências artísticas em São Miguel, como Cláudia Varejão, Daniel Blaufuks, Gustavo Ciríaco, Graham Gussin e Thurston Moore.

"O olhar divergente -- As residências do Pico de Refúgio como património prospetivo" pretende dar a conhecer a coleção privada de arte contemporânea do Pico de Refúgio -- Casas de Campo, um espaço criado por Bernardo Brito e Abreu, filho da escultora Luísa Constantina, bem como obras dos artistas que por lá passaram, cedidas pelo Museu Carlos Machado, pela Galeria Fonseca Macedo ou pelos próprios artistas.

No Pico de Refúgio é promovido um programa de residências artísticas que pretende "apoiar artistas nacionais e estrangeiros que desejem desenvolver um projeto pessoal nos Açores, por um período de tempo, contribuindo simultaneamente para o enriquecimento da coleção de arte e 'design' do Pico de Refúgio", explica a nota enviada pelo Arquipélago.

Pelo programa passaram Ana Catarina Fragoso, Ana Catarina Pinho, Andrea Santolaya, António Júlio Duarte, Atelier de Lisboa, Carla Cabanas, Cláudia Varejão, Daniel Blaufuks, Duarte Amaral Netto, Graham Gussin, Gustavo Ciríaco, Hun Chung Lee, José Pedro Cortes, João Paulo Sera?m, João Valente, Maria Pita Guerreiro e Dion Soethoudt, Miguel Palma, Márcio Vilela, Pedro Vaz, Thurston Moore, Tito Mouraz e Valter Ventura, nomes que integram a exposição.

A coleção, que pode ser vista no Arquipélago, conta ainda com obras de Luís Bernardo Leite de Ataíde e Luísa Constantina.

"O olhar divergente -- As residências do Pico de Refúgio como património prospetivo" inaugura esta quarta-feira, às 18:00, e pode ser visitada até 30 de junho.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.