Exportações de mobiliário e colchoaria aumentam 5% até setembro - APIMA

As exportações de mobiliário e colchoaria aumentaram 5% no terceiro trimestre deste ano, face ao período homólogo de 2016, sinalizou hoje a Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliários e Afins (APIMA).

De acordo com dados apurados pela APIMA, com base nas estatísticas do Instituto Nacional de Estatística, as exportações realizadas de janeiro a setembro deste ano atingiram um total de 1,3 mil milhões de euros.

França, Espanha e Reino Unido lideram o 'ranking' das exportações do setor, com um peso de 66% no volume total.

O mercado francês, com 419 milhões de euros em vendas, é o principal destino das exportações do setor, tendo crescido 11,25% face a igual período de 2016 e alcançado uma quota de 32% do total de exportações.

Segue-se Espanha, com um volume de vendas na ordem dos 363 milhões de euros, correspondentes a uma quota de mercado de 27%.

O Reino Unido, por sua vez, ocupa o terceiro lugar do 'ranking' com um volume de vendas de 84 milhões de euros, equivalente a um crescimento de 16% e uma quota de mercado de 6%, quando comparado com 2016.

Esta análise revela ainda melhorias no desempenho das exportações para a Republica Checa, com um crescimento de 339%, quando comparado com 2016.

Ainda segundo os dados recolhidos, importa salientar que as importações do setor registaram um decréscimo de 5% face ao período homólogo de 2016, fixando-se nos 693 milhões de euros, "valor que assegura a continuação de um saldo superavitário da balança comercial do setor".

A taxa de cobertura das exportações pelas importações do período em referência é de 191%, acrescenta.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.