Estudo em hospitais do Norte avalia qualidade de vida em doentes com mieloma múltiplo

Um estudo realizado em três centros hospitalares do Norte com doentes com mieloma múltiplo e seus cuidadores revelou que os pacientes com necessidades emocionais apresentaram pior qualidade de vida, indicou hoje à Lusa a coordenadora do projeto.

O estudo "Necessidades e Qualidade de Vida em Doentes com Mieloma Múltiplo e seus Cuidadores" foi realizado junto de pessoas em tratamento no Hospital de Braga, Centro Hospitalar do Porto e Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho, sendo que, entretanto, este projeto está a replicar-se no centro hospitalar de Coimbra, bem como no IPO de Lisboa.

O mieloma múltiplo é uma doença maligna do sangue, que se desenvolve a partir de células linfóides maduras denominadas plasmócitos (um tipo de glóbulos brancos) que têm origem na medula óssea.

Em declarações à agência Lusa, a coordenadora do projeto, Maria da Graça Pereira, apontou que "a não satisfação das necessidades de saúde emocional dos doentes com mieloma múltiplo associaram-se a uma pior qualidade de vida em todos os domínios avaliados: sintomas da doença, efeitos secundários, imagem corporal e perspetiva de futuro".

"É necessário intervir em termos psicológicos nestes doentes", disse Maria da Graça Pereira, defendendo o desenvolvimento de intervenções que respondam às necessidades dos doentes, nomeadamente a "necessidade do tratamento incluir equipas multidisciplinares onde exista também um psicólogo".

Esta investigação, financiada pela biofarmacêutica Celgene, foi o projeto vencedor da bolsa criada pela Associação Portuguesa Contra a Leucemia (APCL) e a Associação Portuguesa de Leucemias e Linfomas (APLL).

Foram estudadas 70 pessoas com mieloma múltiplo com uma média de 68 anos, sendo a maioria do sexo feminino, com o diagnóstico feito em média há 68 meses (cinco/sete anos).~

Quanto à situação profissional, 42% encontravam-se empregados e os restantes desempregados ou reformados. Também participaram ainda 50 cuidadores de pessoas com mieloma múltiplo, 70% do sexo feminino.

Maria da Graça Pereira destacou que mais de 40% dos doentes referiu ter necessidades ao nível de informação, seguindo-se as necessidades emocionais e financeiras "também com uma expressão significativa".

Os doentes que foram diagnosticados há mais tempo relataram mais necessidades não satisfeitas em termos de informação, preocupações financeiras, acesso ao tratamento médico e de saúde emocional, situações que, descreveu a coordenadora do estudo, "se associaram a uma pior qualidade de vida".

"Por sua vez, as necessidades não satisfeitas relativas ao acesso ao tratamento médico associaram-se a uma pior qualidade de vida relativa à perspetiva de futuro", acrescentou a também investigadora da Universidade do Minho, apontando "são necessários apoios psicossociais, apoios por parte da comunidade e políticas que possam financeiramente ajudar os doentes".

Quanto aos cuidadores -- 40% eram filhos do doente, 39% cônjuges e 21% outros familiares -- a responsável frisou que são pessoas que "necessitam de estar bem para cuidar porque são cuidadores informais que não receberam formação para lidar com situações de doença crónica".

"Os cuidadores do sexo masculino reportaram pior qualidade de vida. Os cuidadores que apresentaram pior qualidade de vida foram os que tinham necessidades emocionais não satisfeitas, maior sobrecarga e mais depressão e ansiedade. Cuidadores que cuidam de doentes mais velhos, apresentaram mais sintomas de depressão e ansiedade e mais necessidades emocionais", descreveu Maria da Graça Pereira.

Convictos de que a partir deste estudo, existem agora dados que permitem desenvolver um programa de intervenção no terreno, os responsáveis pelo projeto "Necessidades e Qualidade de Vida em Doentes com Mieloma Múltiplo e seus Cuidadores" vão candidatar-se a uma bolsa nesse sentido.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.