Escritor Colson Whitehead vence prémio Arthur C. Clarke para ficção científica

O escritor norte-americano Colson Whitehead venceu a 31.ª edição do prémio Arthur C. Clarke para ficção científica, com o livro "The Underground Railroad", que tem edição prevista em Portugal para este ano.

Colson Whitehead já tinha ganhado o prémio Pulitzer para Ficção, em abril, e está também na lista de nomeados ao Man Booker Prize com a mesma obra.

"The Underground Railroad" é o sexto livro do autor, publicado em 2016, e está já a ser adaptado para televisão numa produção da Amazon.

O livro conta a história de Cora e Caesar, dois escravos que fogem de uma plantação, a partir da rede de abolicionistas real conhecida como "Undergound Railroad" ("caminho-de-ferro subterrâneo", na tradução direta para português), que ajudou vários escravos a fugir ao longo do século XIX, num "caminho-de-ferro subterrâneo" literal.

Em comunicado divulgado pela organização do prémio, Whitehead afirmou que quando tinha 10 anos foi a ficção científica e a fantasia que lhe deram a inspiração para ser escritor.

"Se fosses escritor, podias trabalhar em casa, não tinhas de falar com ninguém e podias inventar coisas o dia inteiro. Coisas sobre robôs e talvez zombies e até mesmo milagrosas linhas de caminho-de-ferro", afirmou o escritor.

O prémio Sir Arthur C. Clarke foi criado em 1987, em honra do escritor de ficção científica. Alguns dos mais célebres trabalhos do autor, que escreveu mais de 100 livros e de mil contos e ensaios, são "2001: Uma Odisseia no Espaço", "Childhood's end" e "The Fountains of Paradise".

No ano em que se comemora o centenário do nascimento do autor, a organização do prémio anunciou ainda planos para publicar uma antologia de contos de ficção científica de 2001 palavras cada e um projeto musical inspirado nas citações das "Três Leis" de Arthur C. Clarke.

Exclusivos

Premium

João Taborda da Gama

Linhas cinzentas

Era muito arrogante, mas era verdade, e como era verdade e era arrogante eu não me cansava de o dizer, quando na minha vida a arrogância e a verdade tinham um peso maior do que hoje. E o que era verdade é que já tinha ido mais vezes a Paris do que a Cascais e o que era arrogante era dizê-lo em todo o lado, junto de quem quer que fosse, mesmo quem nunca tivesse ido a Paris, ou a Cascais, e quisesse. Tenho vindo aqui mais vezes nos últimos tempos descobrir novos nomes, novas terras, pôr caras nas terras, de Bicesse, que em criança achava ser em Angola, a Pau Gordo, que não sabia que existia.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.

Premium

Rogério Casanova

Arquitectura fundida

Uma consequência inevitável da longevidade enquanto figura pública é a promoção automática a um escalão superior de figura pública: caso se aguentem algumas décadas em funções, deixam de ser tratadas como as outras figuras públicas e passam a ser tratadas como encarnações seculares de sábios religiosos - aqueles que costumavam ficar quinze anos seguidos sentados em posição de lótus a alimentar-se exclusivamente de bambu antes de explicarem o mundo em parábolas. A figura pública pode não desejar essa promoção, e pode até nem detectar a sua chegada. Os sinais acumulam-se lentamente. De um momento para o outro, frases suas começam a ser citadas em memes inspiradores no Facebook; há presidentes a espetar-lhes condecorações no peito, recebe convites mensais para debates em que se tenciona "pensar o país". E um dia, subitamente, a figura pública dá por si sentada à frente de uma câmera de televisão, enquanto Fátima Campos Ferreira lhe pergunta coisas como "Considera-se uma pessoa de emoções?" ou "Acredita em Deus?".

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Ler e/ou escrever

Há muitos anos, recebi um original de ficção de uma autora estreante que pedia uma opinião absolutamente sincera sobre a sua obra. Designar por "obra" o que ainda não devia passar de um rascunho fez-me logo pensar em ego inflamado. Por isso decidi que, se a resposta fosse negativa, não entraria em detalhes, sob o risco de o castelo de cartas cair com demasiado estrondo. Comecei pela sinopse; mas, além de só prometer banalidades, tinha uma repetição escusada, uma imagem de gosto duvidoso, um parêntese que abria e não fechava e até um erro ortográfico que, mesmo com boa vontade, não podia ser gralha. O romance propriamente dito não era melhor, e recusei-o invocando a estrutura confusa, o final previsível, inconsistências várias e um certo desconhecimento da gramática.