ENTREVISTA: Política externa dos EUA é "uma aberração" -- presidente do g7+

Lisboa, 26 jun 2019 (Lusa) -- O presidente do g7+, organização que reúne 20 países considerados frágeis, defendeu hoje o multilateralismo e condenou a política externa dos Estados Unidos, que descreveu como "uma aberração" e que "não vai durar muito tempo".

Em entrevista à Lusa, Francis Kai Kai, que é também o atual ministro do Planeamento e do Desenvolvimento Económico da Serra Leoa, afirmou que "o g7+ acredita no multilateralismo" e sublinhou que existem problemas que exigem soluções globais, que nenhum país pode resolver sozinho.

"Mesmo os Estados Unidos não conseguem resolver estes problemas, nem os seus próprios problemas. O que está a acontecer lá é uma aberração e acredito que esta política externa não dure muito tempo", salientou o responsável do g7+, uma organização intergovernamental que junta 20 países frágeis e afetados por conflitos, que está em Lisboa a participar na 5.ª reunião ministerial do grupo.

Francis Kai Kai considerou "uma ironia" que os países que "beneficiaram do multilateralismo e prosperaram com a globalização" sejam também "os mesmos que agora querem virar costas ao multilateralismo", chamando a atenção para o papel das Nações Unidas:

"Acreditamos que as Nações Unidas são o centro do multilateralismo e da diplomacia internacional e pode propor soluções globais para problemas que um país sozinho não consegue resolver".

Assinalou também que o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, "é um campeão do multilateralismo" e é por isso apoiado por todos os membros do g7+.

"Quando somos pequenos face à economia global, quando não temos muita influência, quando temos muitos outros fatores que afetam o desenvolvimento e temos vizinhos fortes que vão seguindo em frente, não temos outra escolha que não seja a promoção do multilateralismo", frisou o político serra-leonês.

Por outro lado, focou a "solidariedade" entre os países do g7+, organização criada na capital timorense, Díli, em 2010, dizendo que este apoio mútuo ajuda a negociar com outros blocos, no interesse de todos.

"Se formos bem-sucedidos com o Banco Mundial, o Fundo Monetário Internacional, a OCDE, a União Europeia e outros parceiros multilaterais" outros países poderão ver que existem benefícios e "estamos abertos a todos", acrescentou, realçando o "princípio de inclusão" do g7+.

Francis Kai Kai, que participou na terça-feira numa conferência sobre recursos naturais afirmou também que é preciso "mudar a narrativa dos recursos naturais em África", através de "boa governação" e da alteração do paradigma extrativo para o de desenvolvimento.

"Precisamos de uma nova abordagem, os recursos devem ser vistos como uma fonte de desenvolvimento e não ser apenas extraídos e retirados do país", sugeriu.

Usando a Serra Leoa, que tem na mineração de diamantes uma das principais riquezas, como exemplo, Francis Kai Kai apontou a introdução de novos códigos de conduta, legislação sobre a atividade mineira e implementação da Iniciativa a favor da Transparência das Indústrias Extrativas (ITIE) como algumas das melhorias introduzidas.

A Serra Leoa lançou também este ano uma Agência Nacional para os Minerais, que vai "monitorizar a implementação dos contratos com as empresas mineiras e garantir que todas as partes envolvidas cumprem as suas obrigações", acrescentou o ministro.

O g7+, que tem a sua sede europeia na capital portuguesa, integra 20 países: Afeganistão, Burundi, Chade, Costa do Marfim, Guiné-Bissau, Guiné-Conacri, Haiti, Iémen, ilhas Comores, ilhas Salomão, Libéria, Papua Nova Guiné, República Centro-Africana, República Democrática do Congo, Serra Leoa, São Tomé e Príncipe, Somália, Sudão do Sul, Timor-Leste e Togo.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.