ENTREVISTA: Bernard-Henri Lévy quer "capitães de abril" na "ode à Europa" que traz a Lisboa

Lisboa, 16 abr 2019 (Lusa) -- Bernard-Henri Lévy quer ter os "capitães de abril" na primeira fila quando apresentar, a 06 de maio em Lisboa, a peça pela Europa e contra o populismo que está em digressão por 30 cidades europeias.

"Queria atuar a 25 de abril, mas não foi possível. Era a ideia inicial", diz o filósofo e escritor francês em entrevista hoje à Lusa, a propósito da peça "Looking for Europe" ("À Procura da Europa") que apresenta em Lisboa, a 06 de maio.

"Vão estar aqui pessoas que fizeram a revolução [...] Estarão na primeira fila do Teatro Tivoli para assistir. Estamos a contactar um por um, porque são meus camaradas, alguns meus amigos", adianta, explicando que a representação em Lisboa vai ser "um encontro com a memória".

Bernard-Henri Lévy esteve em Portugal no 25 de abril de 1974 e parte do verão seguinte. Conheceu Melo Antunes, Vasco Gonçalves, Otelo Saraiva de Carvalho, entre outros, e, 45 anos depois, afirma: "Sei de que noite Portugal saiu".

"Conheço a história de Portugal. Vivi a vossa revolução, vivi-a dia após dia. É a única revolução moderna que correu bem [...] O único caso de uma revolução de esquerda que deu origem a uma democracia duradoura, sólida. É muito importante e é um modelo", enfatiza.

O filósofo, conhecido em França pelas iniciais, BHL, vai apresentar em Lisboa a peça "Looking for Europe" ("À Procura da Europa"), que escreveu e interpreta, "uma ode à Europa", contra o nacionalismo e o populismo.

"O que venho dizer aqui, em Portugal, é precisamente que tenho de falar tanto do populismo e de uma Europa que não funciona, porque só há um local onde os populistas são embrionários e onde a Europa funciona, que é Portugal", explica.

"Portugal é a prova de que a Europa cria prosperidade, cria democracia e não priva os povos da sua identidade profunda. Estou em Lisboa há duas horas e sinto Portugal, a identidade portuguesa, imediatamente. E vocês são hoje o melhor aluno da classe europeia. É isto que me apaixona aqui", acentua.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.