Engenheiros de Língua Portuguesa reunidos hoje em Maputo

Profissionais de países lusófonos reúnem-se hoje e quinta-feira em Maputo para o 3.º Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa (CELP), dedicado às implicações das alterações climáticas.

"A ideia é criar um debate entre intervenientes desta área de países falantes de língua portuguesa, tendo como principal ponto a questão das mudanças climáticas", disse à Lusa Feliciano Dias, vice-presidente da Ordem dos Engenheiros de Moçambique.

A organização está a cargo da ordem moçambicana e da congénere de Portugal.

O encontro pretende ainda "promover o contacto direto entre as entidades responsáveis pelo desenvolvimento das políticas públicas nos vários países, de modo a potenciar sinergias e a fomentar contactos multilaterais", referem os organizadores em comunicado.

O congresso avança para a terceira edição com a ambição de se consolidar como plataforma de comunicação da engenharia no âmbito dos países que integram a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Os mercados lusófonos vão ser escrutinados para análise sobre "setores económicos nacionais e realidades socioeconómicas, assim como para revelar as oportunidades de negócios para os engenheiros e empresas de engenharia".

Além das alterações climáticas, vão estar em debate os recursos naturais, nomeadamente, petróleo, gás e minério, três das principais fontes de riqueza de Moçambique.

O primeiro congresso realizou-se em 2012, em Lisboa, e o segundo em Macau, em 2014.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.