Enfermeiros do Rovisco Pais, Tocha, em protesto contra "crónica carência" de pessoal

Os enfermeiros do Centro de Medicina de Reabilitação Rovisco Pais, Tocha, cumprem hoje uma paralisação de três horas em protesto contra a "crónica carência" de profissionais de enfermagem, que coloca em risco o funcionamento de serviços.

Na base do protesto está a escassez de enfermeiros no Centro de Medicina de Reabilitação da Região Centro - Rovisco Pais, hospital central especializado na área da reabilitação, no âmbito da rede de hospitais do Serviço Nacional de Saúde Português.

A situação afeta os diversos serviços deste hospital especializado no município de Cantanhede, distrito de Coimbra, nomeadamente na área dos cuidados continuados, internamentos e consultas, e prejudica os enfermeiros, que reclamam o pagamento de mais de dez mil horas de trabalho extraordinário.

"A estrutural e crónica carência de enfermeiros com que o Centro Rovisco Pais se confronta, dá expressão, entre muitos outros problemas, ao aumento exponencial de horas extraordinárias que estes vão realizando, com o inevitável não gozo de alguns direitos, acarretando níveis de exaustão física e psicológica, com probabilidade de maior erro clínico e consequente diminuição da segurança e da qualidade dos cuidados prestados", explica Paulo Anacleto, do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP).

Segundo este representante do SEP, que esteve presente numa concentração realizada hoje de manhã junto à portaria do hospital, na Tocha, a carência de enfermeiros pode colocar em risco a curto prazo a abertura de camas em alguns serviços, como é o caso do vertebro-medular.

Outra consequência da carência de enfermeiros é, segundo o sindicato, "o inaceitável não pagamento atempado de cerca de 10 mil horas em dívida, apenas em 4 serviços (perfazendo uma dívida de cerca de um mês a cada enfermeiro)".

Os enfermeiros e a administração do hospital, presidida por Vítor Lourenço, têm mantido aberto um canal de negociação, tendo acordado há pouco mais de um mês que, a partir de junho, serão pagos mensalmente a cada enfermeiro dez por cento das verbas em atraso. Esta situação não satisfaz, no entanto, o sindicato, que considera que o pagamento em prestações "será engolido" pela contínua necessidade de trabalho extraordinário.

A solução, diz o SEP, passa pela contratação de mais enfermeiros. Neste momento, trabalham no Rovisco Pais 70 enfermeiros, mas o sindicato garante que são precisos muito mais. Em 2017, chegou a ser negociado com o ministério da Saúde a contratação de mais 57 enfermeiros, mas a medida não teve luz verde das Finanças.

Para responder a situações urgentes de carência, o sindicato avançou com a possibilidade de contratar temporariamente profissionais em regime de prestação de serviços, mas a pretensão terá esbarrado, mais uma vez, na falta de autorização do Ministério das Finanças.

"A carência de enfermeiros é um problema estrutural no país que tem de ser resolvido rapidamente", apela Paulo Anacleto.

Os enfermeiros da Rovisco Pais entregaram ao Conselho de Administração do hospital um abaixo-assinado com as reivindicações e admitem regressar à greve se não houver resposta positiva.

Contactada pela Lusa, a administração do hospital reconheceu o direito dos enfermeiros a manifestarem-se, recusando fazer mais comentários.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?