Douro TGV promove turismo, gastronomia e vinhos em Vila Real

Vila Real, 13 mai 2019 (Lusa) -- A terceira edição do fórum Douro TGV realiza-se entre os dias 29 e 31, em Vila Real, e vai destacar "os primeiros 30 anos" dos vinhos Denominação de Origem Controlada (DOC) do Douro, disse hoje a organização.

Pelo terceiro ano consecutivo, o Douro TGV retoma a viagem, com paragem no centro histórico de Vila Real, para promover e internacionalizar "os motores da economia" desta região: o turismo, a gastronomia e os vinhos.

A organização do evento está a cargo do Regia Douro Park -- Parque de Ciência e Tecnologia.

Nuno Augusto, vereador da Câmara de Vila Real e responsável pelo Regia Douro Park, disse hoje à agência Lusa que a edição deste ano vai dar enfoque "aos 30 anos dos vinhos DOC Douro", que "ganham cada vez mais importância na economia da região".

Segundo a organização, quando foi criada, em 1756, a Região Demarcada do Douro tinha como "foco e propósito a regulamentação do vinho do Porto" e "muitos anos depois começaram a surgir os primeiros 'vinhos de consumo' ou 'vinhos de pasto', mais tarde apelidados de vinhos do Douro".

De uma forma "mais concertada", os DOC Douro "têm cerca de 30 anos".

"Representam quase um terço da economia dos vinhos da região e com tendência de crescimento muito grande, ao contrário do vinho do Porto que tem estagnado ou até reduzido o seu consumo nos últimos anos", afirmou Nuno Augusto.

Segundo dados do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), em 2018, o volume de negócios dos DOC Douro rondou os 169 milhões de euros, mais 6,7 milhões do que em 2017.

O Douro TGV vai associar estes 30 anos aos também 30 anos de carreira do jornalista e crítico de vinhos nacional João Paulo Martins, que foi desafiado para moderar um painel.

O programa inclui ainda uma mostra de vinhos Douro TGV e o concurso de vinhos Douro TGV.

No âmbito da gastronomia, o fórum vai destacar as oito carnes que são Denominação de Origem Protegida (DOP) no Douro e em Trás-os-Montes.

São elas: as carnes de bovino barrosã, maronesa e mirandesa, o cabrito transmontano, os ovinos borrego terrincho, cordeiro bragançano e cordeiro mirandês ou canhonho mirandês e o bísaro transmontano ou porco transmontano.

A ideia é, segundo Nuno Pinto Augusto, "chamar a atenção para a importância económica dessas carnes, demonstrar a sua riqueza e especificidades".

Durante o TGV vai-se falar sobre o "impacto deste património diferenciador na região, na restauração regional, nacional e internacional, na criação de riqueza e na fixação de pessoas, na certificação e valorização das raças".

Quanto ao turismo, o tema em destaque vai ser "Vila Real, porta de entrada para o Douro" e em debate vão estar os "pontos fortes da cidade e o que está a ser feito para a tornar mais atrativa".

O Regia Douro Park - Parque de Ciência e Tecnologia de Vila Real foi inaugurado em maio de 2016 e está focado nas áreas agroalimentar, agroindustrial, enologia, vitivinicultura, economia verde, valorização ambiental e tecnologias agroambientais.

Foi promovido pelo município de Vila Real, pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) e pela Portuspark - Rede de Parques Tecnológicos e Incubadoras

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...