Documentário e livro sobre diplomata Sérgio Vieira de Mello lançado no Brasil

Um documentário e um livro sobre a trajetória do brasileiro Sérgio Vieira de Mello, responsável pela missão da ONU em Timor-Leste, entre 1999 e 2002, foi lançado na terça-feira à noite, em São Paulo.

Chamado "Sérgio Vieira de Mello: o legado de um herói brasileiro", o projeto é centrado em três passagens marcantes, Timor-Leste, Camboja e Vietname, da carreira do diplomata, que trabalhou 34 anos na ONU e morreu num atentado contra o prédio da instituição em Bagdade, capital do Iraque, em 2003.

O diretor do filme, André Zavarize, contou à Lusa que o projeto nasceu há cinco anos quando a Agência ZAZ, que organiza projetos culturais no Brasil, decidiu realizar um livro em homenagem ao diplomata.

Sobre um dos pontos importantes do projeto, o papel de Sérgio Vieira de Mello na reorganização de Timor-Leste após a independência, em 1999, o diretor contou que o brasileiro é, até hoje, lembrado como um homem que transformou o país.

"Quando o Sérgio pisou em Timor-Leste, o lugar era uma terra arrasada. Havia apenas um gerador de energia em todo país e toda a infraestrutura havia sido destruída pelo exército da Indonésia. Depois de dois anos de trabalho, a ONU realizou, sob comando dele, o processo de fixar instituições como a Justiça, Poder Executivo, Poder Legislativo e as Tropas de Paz", disse.

"Contamos um pouco deste trabalho [no livro e no documentário]. Entrevistámos o antigo primeiro-ministro de Timor-Leste Mari Alkatiri, tal como o reitor da Universidade Nacional Timor Lorosae, Francisco Miguel Martins. Conversámos com mais de 60 personalidades, incluindo dois vencedores timorenses do prémio Nobel, o ex-primeiro ministro José Ramos-Horta e o padre Ximenes Belo", acrescentou.

No prefácio do livro, José Ramos-Horta referiu o pedido feito ao antigo secretário da ONU Kofi Annan para que nomeasse na liderança da ONU no país um homem que tivesse coração e falasse português.

"Falei ao Kofi Annan que o timorense é um povo traumatizado por conflitos, sofrimentos e violência. Nós precisávamos de um representante especial que não fosse um burocrata sem coração [...] Dito isto, Kofi Annan sabia quem tinha que escolher. Sérgio Vieira de Mello era quem preenchia o desenho humano que eu fiz da pessoa ideal para Timor-Leste", escreveu.

O documentário e o livro abordam o trabalho que o diplomata brasileiro desenvolveu no Camboja, ao estabelecer pela ONU negociações de paz com o regime dos Khmer Vermelhos, enquanto no Vietname, Sérgio Vieira de Mello ajudou um milhão de refugiados em fuga de conflitos na região.

No projeto, a situação dos imigrantes venezuelanos, que estão a fugir da crise económica e social no país, para o Brasil desde 2017, ganhou um espaço especial no projeto. Neste caso, porém, o trabalho de Sérgio Viera de Mello aparece como um exemplo de um homem que trabalhou em prol dos refugiados em todo o mundo.

O documentário e o livro "Sérgio Vieira de Mello: o legado de um herói brasileiro" também será exibido e lançado no próximo dia 16, no Rio de Janeiro.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.