Dívida de Angola à China ronda os 23 mil milhões de dólares - ministro

O ministro das Finanças angolano, Archer Mangueira, disse hoje que a dívida de Angola à China ronda os 23 mil milhões de dólares (19.659 milhões de euros), reportou a agência noticiosa Angop, num despacho a partir de Pequim.

Archer Mangueira, que se encontra na capital chinesa a acompanhar a comitiva o Presidente angolano, João Lourenço, à terceira cimeira do Fórum de Cooperação China-África (FOCAC), referiu que para amortizar a dívida de Angola à China terão de ser criados projetos que potenciem um encaixe financeiro a médio e longo prazos.

Numa altura em que o Presidente chinês, Xi Jinping, anunciou que o "gigante" asiático vai perdoar a dívida com as nações africanas com as quais tem relações diplomáticas, Archer Mangueira não adiantou se Angola vai ou não beneficiar desse perdão.

No quadro do perdão anunciado por Xi Jinping estão as nações africanas consideradas menos desenvolvidas ou com fraca capacidade económica.

Segundo o despacho da Angop, no primeiro trimestre do ano em curso, as trocas comerciais entre os dois países cresceram 22,4%, tendo atingido 6.800 milhões de dólares (5.812 milhões de euros).

Neste período, a China vendeu a Angola produtos avaliados em 481 milhões de dólares (411 milhões de euros) e comprou mercadorias avaliadas em 6.320 milhões de dólares (5.408 milhões de euros).

Em 2017, o comércio entre os dois países cresceu 43,42%, para 22.340 milhões de dólares (milhões de euros), com a China a comprar mercadorias a Angola no valor de 20.047 milhões de dólares (20.553 milhões de euros), maioritariamente petróleo, e a vender a Luanda bens no montante de 2.297 milhões de dólares (1.963 milhões de euros).

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.