Congresso Universal de Esperanto começa hoje em Lisboa

O Congresso Universal de Esperanto começa hoje em Lisboa, onde são esperados, ao longo de uma semana, quase dois mil participantes de vários países que vão falar na língua que se apresenta como internacional, mas adotada por uma minoria.

A sessão de abertura decorre no Coliseu de Lisboa, mas o restante programa do evento, que inclui palestras em esperanto sobre história, cultura, linguística, demografia ou mesmo astrofísica, terá como palco principal a reitoria e a Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

Até 04 de agosto, último dia do congresso, são esperados em Lisboa 1.800 esperantistas de 75 países, a maioria de França e Alemanha, de acordo com os dados mais recentes divulgados à Lusa pela Associação Portuguesa de Esperanto (APE), que coorganiza o evento realizado pela primeira vez em Portugal.

Cerca de meia centena de esperantistas integram a delegação portuguesa. A iniciativa tem o alto patrocínio do ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, e uma comissão de honra liderada pelo ex-Presidente da República Ramalho Eanes.

Apenas interrompido durante as I e II guerras mundiais, o congresso realiza-se anualmente desde 1905 e, para os esperantistas, é uma forma de manter viva a língua que se quer universal, mas que é falada por uma minoria.

O esperanto, reconhecido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) por aproximar raças e povos, foi criado pelo oftalmologista polaco Ludwik Lejzer Zamenhof, em 1887.

Estima-se que falem fluentemente a língua dois milhões de pessoas em todo o mundo. Em Portugal, serão cerca de uma centena, segundo o presidente da APE, José Gaspar Martins.

Não sendo uma mistura de línguas, o esperanto tem origem em vários registos linguísticos - latino, germânico e eslavo. A língua portuguesa está entre os idiomas com mais vocábulos parecidos com o esperanto.

Ainda que facultativo, o ensino do esperanto não está disseminado no mundo, muito menos em Portugal, onde, na década de 90, uma petição da APE a favor do ensino experimental da língua nas escolas secundárias não deu frutos.

Clássicos como "Os Lusíadas", de Luís Vaz de Camões, e "A divina comédia", de Dante, ou a Bíblia e o Corão estão traduzidos para esperanto.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?