Comissão Europeia ameaça Hungria com tribunal devido a lei sobre ONG

A Comissão Europeia deu hoje um mês à Hungria para responder a dúvidas sobre a conformidade com as regras europeias da sua lei sobre Organizações Não Governamentais (ONG) financiadas a partir do estrangeiro, sob pena de ir a tribunal.

A decisão de hoje de enviar um parecer fundamentado -- o segundo passo do processo de infração - deve-se à ausência de resposta satisfatória das autoridades húngaras às dúvidas levantadas por Bruxelas em julho.

A Hungria tem agora um mês, em vez dos habituais dois, para adequar a legislação em causa às regras europeias, sob pena de o processo ser levado perante o Tribunal de Justiça da UE.

Em causa está uma lei adotada pelo Governo de Victor Orban, em junho, que introduz novas obrigações para determinadas categorias de ONG que recebam anualmente financiamento do estrangeiro superior 24 mil euros, tal como a obrigatoriedade de se registarem e se rotularem em todas as suas publicações, sítios de Internet e material de imprensa enquanto "organizações apoiadas a partir do estrangeiro".

De acordo com a nova lei, as ONG devem também comunicar às autoridades húngaras informações específicas sobre os fundos que recebem do estrangeiro, e estão "sujeitas a sanções caso não cumpram as novas obrigações de comunicação e transparência".

A Comissão Europeia concluiu que esta lei não cumpre a legislação da UE por diversas razões, a primeira das quais é o facto de "interferir indevidamente com os direitos fundamentais consagrados na Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia, nomeadamente o direito à liberdade de associação", pois "poderia impedir as ONG de angariar fundos e restringiria a sua capacidade para realizar o seu trabalho".

Por outro lado, argumenta Bruxelas, "a lei introduz igualmente restrições injustificadas e desproporcionadas à livre circulação de capitais, tal como estabelece o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.