Campanha do Governo nas escolas tenta atrair jovens para profissões das florestas

O Governo lança hoje uma campanha em 100 escolas com projetos ecológicos para sensibilizar os jovens para o valor da floresta e atraí-los para profissões ligadas ao setor, uma iniciativa que nasceu por iniciativa do setor florestal.

A campanha "ECONTIGO, ECOMTODOS", que hoje vai ser lançada pelos secretários de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Miguel Freitas, e da Educação, João Costa, na escola secundária de Loulé, no Algarve, é promovida pela Direção-Geral da Educação (DGE), que escolheu as 100 escolas participantes, e pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), que, explicou Miguel Freitas à Lusa, respondeu a um apelo do próprio setor, desde indústrias a associações de produtores florestais.

A campanha, que decorre ao longo de uma semana, até à próxima segunda-feira, para assinalar o Dia Internacional das Florestas (21 de março), envolve três mil alunos, maioritariamente do ensino secundário, de 100 'eco-escolas' -- assim denominadas por pertenceram a um programa vocacionado para a educação ambiental, sustentabilidade e cidadania, de âmbito internacional e que em Portugal é implementado pela Associação Bandeira Azul da Europa.

Das 100 'eco-escolas', 94 são estabelecimentos de ensino secundário e as restantes seis são escolas básicas com projetos na área de ambiente e florestas, explicou o Ministério da Educação.

A campanha é de sensibilização para uma "tomada de consciência do valor da floresta", não só o valor económico, disse Miguel Freitas, mas também o valor ambiental e social, e pretende alertar para os riscos associados a alterações climáticas, o abandono, a desertificação e os incêndios florestais.

Segundo o secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, o foco nos alunos do ensino secundário explica-se pelo facto de se encontrarem numa fase do seu percurso escolar em que têm de fazer opções em relação ao seu futuro profissional e por a campanha ter como um dos grandes objetivos atrair os jovens para profissões qualificadas ligadas à floresta.

Com a ajuda de "embaixadores" captados dentro das escolas envolvidas no projeto -- sejam eles professores ou funcionários --, os alunos vão participar nas iniciativas desta semana, associadas ao portal florestacomfuturo.pt, no qual, através de jogos ligados ao tema das florestas as escolas, vão tentar encontrar os alunos mais vocacionados para trabalhar os temas associados à campanha.

A campanha elegeu quatro áreas temáticas, associando a cada uma delas um animal e uma característica: a área de produção de bens e serviços ficou associada ao mocho, por sua vez associado à sabedoria; os serviços de ecossistemas e proteção, que têm a ver com a proteção dos recursos naturais, ficaram associados à cabra ibérica e à característica da determinação; a conservação da natureza fica ligada ao lince e à característica da garra; e por fim a área de recreio e paisagem relaciona-se com a águia e a característica da confiança.

"Há aqui uma ideia-chave que é estarmos todos unidos em torno desta campanha, para levar a cerca de três mil jovens durante esta semana um filme alusivo à mensagem que queremos passar do valor da floresta, com um portal que vai ser aberto, com jogos que permitem aos jovens irem manifestando o que é a sua ligação à floresta e em que perspetiva se querem associar a este movimento. O que pretendemos é criar um movimento. Este é o primeiro de um conjunto de eventos que vamos realizar ao longo do ano", disse o secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural.

O segundo momento, já de envolvimento, finda a fase de sensibilização, passará por um "grande acampamento de jovens", em maio, com aqueles que nesta primeira fase "manifestarem uma vocação distinta para a floresta", e com ligação às universidades, sobretudo aquelas que lecionam cursos ligados às profissões do setor florestal.

A campanha "ECONTIGO, ECOMTODOS" insere-se na campanha internacional "Aprende a Amar a Floresta!" e a apresentação, que hoje decorre em Loulé, vai contar, a convite do Ministério da Educação, com a presença da aluna Matilde Alvim, uma das promotoras em Portugal do movimento internacional da greve climática, que na passada semana levou milhares de estudantes para a rua em defesa do ambiente e da luta contra as alterações climáticas.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.