Câmara de Valongo recupera escola desativada para apoiar jovens deficientes

Uma escola desativada em 2014 e um projeto de apoio a jovens com deficiência vai resultar, em Valongo, distrito do Porto, numa iniciativa de apoio o ano completo a alunos com necessidades educativas especiais (NEE).

Denominada "Casa do Xisto", a ideia foi alvo de candidatura ao Portugal Inovação Social e, disse à agência Lusa o presidente da Câmara de Valongo, José Manuel Ribeiro, "trata-se de um projeto pioneiro em Portugal na ajuda aos jovens com deficiência".

O anúncio foi feito no final da quarta edição do Projeto OTL ESPECIAL@rte - Férias de Verão 2018, que desde 2015, na antiga Escola Básica e Jardim de Infância do Xisto, na freguesia de Alfena, durante as nove semanas de férias escolares envolveu crianças e jovens com deficiência a partir dos seis anos em atividades diárias.

Este projeto combinado com uma escola desativada que apenas funcionava nas pausas letivas fez nascer a ideia de criar a Casa do Xisto, abrindo a porta aos pais dos NEE a possibilidade de "a baixo custo terem um lugar onde deixar os filhos, também, nos outros dias do ano", enfatizou o autarca.

Em complemento, a vereadora da Ação Social, Manuela Duarte, afirmou tratar-se de "um projeto que vai ao encontro das necessidades dos pais, permitindo-lhes comprar as horas conforme necessitarem".

"No máximo teremos capacidade para receber 30 crianças e o projeto prevê o transporte delas da escola para aqui", acrescentou a autarca.

Uma vez terminado o OTL ESPECIAL@rte - Férias de Verão 2018, a escola "vai nos próximos dias começar com as obras de substituição do telhado, em amianto", numa intervenção que prevê, inclusive, a colocação de um elevador para "dar mais comodidade no acesso ao piso superior", frisou José Manuel Ribeiro.

O chefe da Divisão da Área Social, Torcato Ferreira, revelou à Lusa que a candidatura ao Portugal Inovação Social, criado no âmbito do Portugal 2020, "prevê um investimento anual de 200 mil euros, sendo que uma parte, entre 70 e 80 mil euros, será para a intervenção na estrutura da escola".

Sobre os curtos para os utilizadores a vereadora garantiu que "serão muito reduzidos", equiparando-os às verbas despendidas pelos progenitores para que os filhos pudessem estar ocupados nas últimas nove semanas, entre os cinco e os 25 euros.

Este projeto conta com a parceria da EducaSom, entidade que operacionaliza o GAS Porto (Gabinete de Ação Social da Universidade do Porto), tendo a coordenadora Manuela Sousa afirmado à Lusa que, uma vez em curso, "vai dar emprego até 13 pessoas".

Ilda Moreira, mãe de um dos jovens que integrou o OTL ESPECIAL@rte - Férias de Verão 2018, disse à Lusa aguardar "com muita ansiedade" pela concretização da Casa do Xisto, esperando que "venha a tempo de ser útil", divulgando dificuldades de horários devido ao filho frequentar o ensino regular.

Elogiando a aposta da autarquia num projeto "muito positivo", enalteceu ainda os "custos reduzidos" admitidos pela Câmara de Valongo para os pais que quiserem aderir.

"Isto é para ontem", concluiu, Ilda Moreira.

Exclusivos

Premium

Contratos públicos

Empresa que contratava médicos para prisões não pagou e sumiu

O Estado adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. o recrutamento de médicos, enfermeiros, psicólogos e auxiliares para as prisões. A empresa recrutou, não pagou e está incontactável. Em Lisboa há mais de 30 profissionais nesta situação e 40 mil euros por pagar. A Direção dos Serviços Prisionais diz nada poder fazer.