Câmara de Gaia atribui mais de meio milhão de euros a associações do concelho

A câmara de Vila Nova de Gaia pretende atribuir mais de meio milhão de euros às associações e instituições do concelho, num total de 23 protocolos que serão analisados quinta-feira em reunião do executivo.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Câmara de Vila Nova de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, apontou hoje que "em alguns casos, estão em causa reforços de verbas face a protocolos anteriores, mas em outros trata-se de dinheiro essencial para o normal funcionamento das instituições para apoio à população".

No total, os apoios financeiros ascendem a 550 mil euros e são várias as áreas visadas, desde a ação social à cultura, entre outras.

"O dinheiro que tem vindo da Segurança Social para as instituições não chega. As câmaras têm a obrigação seletiva e cuidadosa de também apoiar. Cada vez tenho mais a certeza que nas áreas sociais é impossível ao município ou ao Estado diretamente fazer o que fazem as IPPS", disse Eduardo Vítor Rodrigues.

Quanto a outros apoios financeiros diretos, nota para a Associação Cultural e Musical de Avintes, ou para as várias Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) do concelho, bem como a Federação das Associações de Pais de Gaia que, descreveu o presidente da câmara, "tem respostas muito concretas, nomeadamente em formação para dirigentes e pais em geral".

Somam-se os centros sociais de Candal, Canelas e Perosinho, que no total recebem mais de 100 mil euros.

Na quinta-feira, numa reunião de câmara extraordinária, também vai ser dado a conhecer o relatório feito pelo programa Ciência Viva ao Parque Biológico de Gaia, o qual o presidente da autarquia descreveu como "positivo", apesar de estar em causa "uma área muito sensível", manifestando "disponibilidade para realizar melhoramentos".

"O grande objetivo é capacitar o Parque Biológico para vir a receber o polo de Ciência Viva", sintetizou.

A proposta sobre o concurso público para a requalificação da Escola Básica Dr. Costa Matos também consta da ordem de trabalhos da sessão. Em causa uma de três escolas onde o município está a intervir, sendo que a de Valadares estará em concurso "em breve" e a Sophia de Mello Breyner está em curso.

Quanto à Costa Matos, a obra custa 3,5 milhões de euros e deverá demorar cerca de um ano e três meses.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG