BBVA desce previsão de crescimento do PIB português para 1,5% em 2019

Lisboa, 16 abr 2019 (Lusa) - O BBVA reviu em baixa a previsão de crescimento para a economia portuguesa em 2019, esperando que modere o ritmo de crescimento para "cerca de 1,5%" este ano, 0,3 pontos percentuais abaixo do previsto em janeiro.

"Após uma evolução média de 2,1% ao longo de 2018 [face ao ano anterior], o BBVA Research prevê que o PIB [Produto Interno Bruto] português irá moderar o ritmo de crescimento até se situar em cerca de 1,5% em 2019 (menos 3,0 décimas do que anteriormente previsto)", indica o BBVA numa nota de análise divulgada hoje e assinada por Angie Suárez, economista do BBVA para Espanha e Portugal.

Em janeiro o BBVA Research tinha antecipado que a economia portuguesa crescesse 1,8% em 2019, 0,3 pontos percentuais acima da previsão hoje divulgada.

O BBVA explica que "este cenário apresenta-se num contexto de desaceleração da economia global, em particular da europeia, somada à existência de riscos ainda numerosos".

Para o primeiro trimestre de 2019, o BBVA Research prevê que a economia portuguesa tenha crescido cerca de 0,3% face aos três meses anteriores.

"Com base nos dados mais recentes, o BBVA Research prevê que o crescimento intertrimestral médio da economia portuguesa no primeiro trimestre de 2019 se situe em cerca de 0,3% t/t [face ao trimestre anterior]", lê-se na nota de análise.

O BBVA Research justifica que "os sinais extraídos dos indicadores da despesa e do mercado de trabalho correspondentes a 2019 sugerem que o consumo privado terá mantido a sua evolução ao longo do primeiro trimestre do ano".

A nota de análise indica também que "o investimento na habitação mantém o bom andamento", com os dados de janeiro a refletirem um aumento de licenças de construção de 42,5% face ao mesmo período do ano anterior, após a estagnação de dezembro de 2018.

"Em linha com o dinamismo do mercado residencial, os empréstimos hipotecários às famílias voltaram a aumentar em janeiro" (+17,8%) face ao período homólogo, indica ainda o BBVA Research.

Relativamente ao setor externo, a nota de análise refere que as exportações nominais de bens em termos homólogos continuaram a crescer durante os dois primeiros meses do ano, em 4,4% em média, enquanto que o aumento das importações acelerou para 14,7% em média também face ao mesmo período do ano anterior.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.