Arouca Film Festival com 41 filmes de 13 países e quatro deles criados em telemóveis

A 16.ª edição do Arouca Film Festival arranca esta quarta-feira e, até domingo, terá em competição 41 filmes de 12 países, numa seleção que inclui dez obras na nova categoria de direitos humanos e quatro realizados com telemóveis.

"Nas sessões competitivas serão divulgados novos projetos, novos realizadores, produções independentes e obras já consagradas e de reconhecido valor que habitualmente não são distribuídas nos circuitos tradicionais de cinema", revela João Rita, diretor do festival organizado pelo Cineclube de Arouca.

Depois de registar um recorde no número de inscrições para a presente edição, ao receber 785 candidaturas e acrescentar assim à pré-seleção de 2018 mais 102 filmes do que em 2017, a secção competitiva deste ano destaca-se pelo "elevado grau de profissionalismo no que aos recursos técnicos e humanos diz respeito".

A recém-criada categoria dos direitos humanos, a estrear nesta edição, atingiu "níveis inesperados de participação", já que, entre os filmes candidatos, houve 96 inscritos que adotaram esse registo social e, desses, dez foram selecionados para concurso.

Já no que se refere à nova categoria de filmes criados em 'smartphone', foram 56 as obras candidatas e quatro as que passaram para a fase competitiva.

"Recebemos obras muito realistas e tecnicamente muito bem conseguidas", declara João Rita à Lusa. "Produtoras e realizadores não poupam esforços para concretizar as suas curtas-metragens, criando verdadeiras obras de arte que anseiam ver a luz do dia e aceder aos circuitos competitivos", defende.

Entre os filmes nessas circunstâncias, o diretor do Arouca Film Festival destaca sete curtas-metragens: "Summer Run", da italiana Cecilia Brianza; "Impasse", da russa Alina Mikhailova; "Carga", do português Luís Campos; "Rafeiro", da também lusa Cátia Silva; "Bakit", da quirguistanesa Meerim Dogdurbekova; "Are you volleyball?", do iraniano Mohammad Bakhshi; e "M.A.M.O.N. - Monitor Against Mexicans Over Nationwide", do uruguaio Alejandro Damiani, numa co-produção entre Uruguai e México.

Para Cátia Camisão, programadora do festival, está assim em causa "um conjunto de filmes de elevado interesse", entre os quais a ficção predomina como o género mais adotado, seguindo-se o documentário e o experimental.

Além da secção competitiva, o Arouca Film Festival de 2018 incluirá ainda várias sessões temáticas e um programa formativo e pedagógico composto por workshops, oficinas, tertúlias e performances artísticas, "sempre visando a formação e capacitação de novos públicos".

Grande parte dessas atividades será desenvolvida nas escolas do município, como é o caso da oficina em que, após a projeção de um filme e explicação dos processos nele envolvidos, os estudantes terão que construir um 'story board' para as suas próprias histórias.

Outros momentos-altos do programa serão a exibição do filme "Bad Investigate", numa sessão com a presença do realizador e ator Luís Ismael, do produtor e ator J.D. Duarte e da atriz Laura Galvão, e ainda a projeção de "Famel Top Secret", que será acompanhada por uma concentração de modelos antigos dessa marca de motos.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.