CDS-PP/Lisboa recomenda maior controlo da lagarta do pinheiro em espaços públicos

A Assembleia Municipal de Lisboa (AML) vai deliberar na terça-feira sobre uma recomendação do CDS-PP que visa um maior controlo da praga da lagarta do pinheiro em espaços públicos frequentados por crianças e animais.

Lusa

Os centristas pedem que a Câmara de Lisboa "proceda atempadamente a inspeções e aos tratamentos adequados nas árvores das escolas, dos infantários e dos jardins, parques infantis, parques recreativos e parques caninos, de modo a evitar casos" como o de 2017, em que 18 crianças, alunos da escola básica do Bairro de São Miguel, em Alvalade, foram transportadas para o Hospital de Santa Maria com sintomas de urticária, prurido e manchas na pele.

O partido salienta que "esta intervenção é urgente, uma vez que o período mais crítico é o que está compreendido entre janeiro e maio".

O CDS-PP considera também que a câmara municipal deve promover, em articulação com as juntas de freguesia, "a divulgação de informação útil aos cidadãos e às escolas sobre" a praga da processionária do pinheiro, vulgarmente conhecida como lagarta do pinheiro, e acerca "dos comportamentos a adotar pela comunidade para evitar" a exposição" à mesma.

Para isso, acrescenta a recomendação, a autarquia deverá utilizar os seus canais de comunicação com a população e, se possível, desenvolver uma campanha de sensibilização que inclua a fixação de "cartazes informativos em todas as escolas, infantários, jardins, parques infantis, parques recreativos e parques caninos".

Os centristas solicitam ainda que a Câmara Municipal de Lisboa, liderada por Fernando Medina (PS), "implemente, efetivamente, um plano de intervenção" que "vise a eliminação/redução significativa desta praga que tem vindo a assolar" as escolas e os espaços públicos lisboetas.

Por fim, o grupo municipal do CDS-PP pede que a AML seja informada pela autarquia acerca das ações realizadas ao longo de todo o ano e que seja efetuado "o levantamento dos surtos ocorridos nos últimos anos em Lisboa".

Na sessão plenária de terça-feira, a AML vai apreciar, igualmente, uma recomendação do BE para reforçar, "com caráter de urgência, a frequência dos autocarros 708 e 706" da Carris "para colmatar o atraso na conclusão das obras de alargamento do cais da estação do metro de Arroios".