Alemanha/Eleições: Merkel vence, nacionalistas no parlamento -- Resultados finais

A chanceler alemã Angela Merkel venceu um quarto mandato no domingo, mas terá de se coligar, após uma votação mais reduzida na União Democrata-Cristã (CDU), indicaram hoje os resultados finais.

Em terceiro lugar ficou a Alternativa para a Alemanha (AfD), nacionalista e anti-imigração, que entra pela primeira vez no parlamento alemão (Bundestag).

De acordo com os resultados finais divulgados antes das 04:00 (03:00 em Lisboa), a CDU de Merkel e a aliada União Social-Cristã (CSU) da Baviera conquistaram 33% dos votos, menos que os 41,5% conseguidos há quatro anos. Este foi um dos resultados mais fracos da aliança no pós-guerra.

O Partido Social-Democrata (SPD) ficou atrás, com 20,5%, abaixo dos 25,7% conseguidos em 2013, também o pior resultado do pós-guerra.

A AfD conquistou 12,6% dos votos, seguido do Partido Liberal (FDP), que voltou ao parlamento após uma pausa de quatro anos, com 10,7%.

Os liberais foram parceiros de coligação de Merkel no segundo mandato, de 2009 a 2013, mas perderam todos os assentos há quatro anos.

O partido Die Linke (A Esquerda) conseguiu 9,2%, ligeiramente acima de os Verdes, com 8,9%, completando um parlamento com seis forças, ao invés das anteriores quatro.

A AfD, com apenas quatro anos, centrou a campanha nas críticas a Merkel e à decisão de, em 2015, autorizar a entrada de um elevado número de migrantes na Alemanha. Uma das líderes do partido Alice Weidel disse que irá envolver-se numa "oposição construtiva", mas o colíder Alexander Gauland foi mais severo, prometendo "recuperar o país" e "perseguir" Merkel.

O antigo presidente do Parlamento Europeu e líder do SPD Martin Schulz admitiu que o partido sofreu uma "esmagadora derrota eleitoral" e afirmou que irá deixar a coligação de Merkel e posicionar-se na oposição.

Apesar de um resultado menos robusto, que obriga a novas coligações, Merkel garantiu estabilidade.

"Temos um mandato para formar um novo Governo, e nenhum Governo pode ser formado contra nós", disse a chanceler, indicando que os últimos quatro anos foram "extremamente desafiantes".

A chefe do governo alemão sublinhou que "vivem-se tempos tempestuosos" internacionalmente, e afirmou: "Tenho intenção de conseguir [estabelecer] um governo estável na Alemanha".

Todos os partidos tradicionais excluíram a possibilidade de trabalhar com a AfD e os conservadores de Merkel não vão formar coligação com o Die Linke.

Com os sociais-democratas a prometer entrar para a oposição, sobra apenas uma possibilidade de governo: uma combinação de conservadores, liberais e verdes.

Esta aliança é conhecida como "Jamaica" porque as cores dos partidos são semelhantes à bandeira do país das Caraíbas.

A AfD é o primeiro partido à direita dos conservadores a entrar no parlamento em 60 anos.

Merkel comprometeu-se a realizar uma "análise profunda" dos resultados. "Queremos reconquistar os eleitores da AfD, resolver problemas, tendo em consideração as suas preocupações e receios e, acima de tudo, com boas políticas".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG