Açores distinguem 30 personalidades e instituições no Dia da Região

Os Açores vão distinguir no Dia da Região, a 05 de junho, 30 personalidades e instituições do arquipélago que se distinguiram em diferentes áreas, numa sessão onde está prevista a presença do Presidente da República.

A lista de condecorados com as insígnias honoríficas açorianas, que serão atribuídas na sessão solene que vai decorrer na sede da Assembleia Legislativa Regional, na Horta, ilha do Faial, foi hoje aprovada por unanimidade na reunião da Comissão de Assuntos Parlamentares, Ambiente e Trabalho e será submetida à aprovação do plenário.

Entre as figuras que serão distinguidas com a Insígnia Autonómica de Reconhecimento estão os músicos açorianos Aníbal Duarte Raposo e Luís Alberto Bettencourt, o professor universitário e emigrante nos Estados Unidos Diniz Aurélio Borges, e o antigo campeão de ralis dos Açores Horácio Franco, este a título póstumo.

O escritor açoriano Urbano Bettencourt Machado, o investigador Luís Monteiro, já falecido, e o antigo diretor regional da Cultura Marcolino Candeias, também a título póstumo, serão outras das figuras homenageadas.

Com a Insígnia Autonómica de Mérito Profissional serão condecorados os médicos Carlos Pereira Duarte, antigo pediatra no hospital de Ponta Delgada e um dos responsáveis pela redução da taxa de mortalidade infantil nos Açores, Ramiro Gaspar de Lima, antigo administrador do hospital de Angra do Heroísmo, e Luís Bruno, médico de clínica geral no centro de saúde da Horta e dirigente do PCP no Faial, estes últimos dois a título póstumo.

A mesma insígnia recebem, igualmente, Duarte Pimentel e José Carlos Cymbrom.

A Caixa Económica da Misericórdia de Angra do Heroísmo, a instituição bancária mais antiga dos Açores, vai receber a Insígnia Autonómica de Mérito Industrial, Comercial e Agrícola, enquanto a Insígnia Autonómica de Mérito Cívico vai ser atribuída a várias instituições, como o grupo de teatro Alpendre, da Terceira, a Associação de Socorros Mútuos de Ponta Delgada, a Casa do Povo de Rabo de Peixe, em São Miguel, o Clube Naval da Horta e a Escola Regional de Artesanato de Santo Amaro do Pico.

Entre os condecorados estão, também, o Grupo de Baile da Canção Regional Terceirense, o Grupo Etnográfico da Beira, o Instituto Histórico da Ilha Terceira, a Associação de Solidariedade "Mãe de Deus" e a Sociedade Filarmónica Artista Faialense.

Destaque, ainda, para três figuras que serão agraciadas com a Insígnia Autonómica de Mérito Cívico: Fernando Dutra de Sousa, atual provedor da Santa Casa da Misericórdia da Horta e antigo presidente da câmara local, Maria Evelina de Sousa (a título póstumo), que se distinguiu como professora, feminista e defensora dos animais, Masatoshi Ohi, promotor das artes marciais em São Miguel, e Óscar Rocha, primeiro presidente da Câmara do Corvo, a mais pequena ilha dos Açores.

João António Sequeira (a título póstumo), que esteve ligado ao centro de controlo de tráfego aéreo de Santa Maria, o professor João Manuel Forjaz de Sampaio e Luís Toste Dinis, antigo formador na área agrícola, vão receber a Insígnia Autonómica de Dedicação.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.