Academia de Artes de Idanha-a-Nova recebe certificação internacional na música

A Academia de Artes de Idanha-a-Nova obteve o reconhecimento da 'Associated Board of the Royal Schools of Music', com sede em Londres, e passa a seguir os seus modelos pedagógicos e de certificação musical, foi hoje anunciado.

"Dedicada ao ensino da música, a Academia de Artes Catarina Chitas [Idanha-a-Nova] fica agora inserida num sistema de certificação internacional que é líder mundial em exames de música", explica, em comunicado, o município de Idanha-a-Nova.

A instituição, que é coordenada pela Filarmónica Idanhense e apoiada pela Câmara de Idanha-a-Nova, inicia este mês o ano letivo 2018/2019 com perto de 100 alunos dos três aos 17 anos.

A Academia de Artes Catarina Chitas vai poder lecionar e certificar, em conjunto com a 'Associated Board of the Royal Schools of Music' (ABRSM), todos os graus de ensino preparatório, desde iniciação até ao 8.º grau, em vários instrumentos, com diploma reconhecido internacionalmente.

"Esta certificação é mais um trunfo para a afirmação do ensino da música em Idanha-a-Nova, Cidade Criativa da Música da UNESCO. Os alunos da academia passam a ter acesso a um reconhecimento internacional das suas aprendizagens", explica João Abrantes, diretor artístico da Filarmónica Idanhense.

A certificação internacional tem como referências a Royal Academy of Music, o Royal College of Music, o Royal Northern College of Music e o Royal Conservatoire of Scotland, instituições de ensino que compõem a ABRSM.

Entre as disciplinas lecionadas constam formação musical, iniciação rítmica, informática aplicada à música.

Além disso, é ministrada a aprendizagem de vários instrumentos, como a flauta, clarinete, saxofone, trompete, trompa, trombone, euphonium, tuba, percussão, piano, guitarra clássica, cavaquinho e viola beiroa.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.