Abertura da época de caça no domingo "indigna os caçadores" - Federação de Caçadores

A Federação Nacional de Caçadores e Proprietários (FNCP) considerou hoje que a abertura da época de caça no domingo "indigna os caçadores".

"A abertura da caça à rola e pombos, prevista para o dia de amanhã [domingo], após o país ter uma devastação das florestas por causa dos incêndios é algo que indigna os próprios", afirma a FNCP em comunicado.

Esta decisão, segundo a FNCP, "é uma completa demonstração de incompetência" do ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos, realçando que "pela parte importante da floresta que ardeu e arde, parte das aves mencionadas" teve " de alterar os locais de nidificação e outras morreram nos ninhos".

"As espécies estão acantonadas e fora do seu habitat, sendo que o desrespeito na abertura da caça muito atinge os caçadores, muitos até proprietários com bens ardidos", afirma a Federação, que sugere a demissão do ministro.

A plataforma de organizações ecologistas C6 tinha já apelado ao Governo para cancelar a abertura da caça à rola--brava, devido aos incêndios, destruição de habitat e ao "decréscimo preocupante da população de rola-brava".

"Após anos de alerta por parte das associações de defesa do ambiente e da comunidade científica, o Governo vem reconhecer pela primeira vez que existe um decréscimo preocupante da população de rola-brava [e] apesar disso, permite que a espécie seja caçada!", lê-se num comunicado da C6, emitido na quinta-feira.

Para a C6 "não é pois admissível que o Governo mantenha a abertura da caça à espécie.", qualificando esta situação como "um paradoxo" e que "revela descoordenação entre o Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural e o Ministério do Ambiente".

A C6, criada em 2015 "com o objetivo de atuar a uma única voz junto da sociedade civil e das instituições públicas e governamentais na defesa, proteção e valorização da Natureza e da Biodiversidade em Portugal", "defende a suspensão da caça" à rola-brava "por um período de três a cinco anos, de modo a favorecer a recuperação das respetivas populações e prevenir uma eventual extinção da espécie".

Esta coligação ambientalista refere que a rola-brava foi incluída na "Lista Vermelha" de espécies ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza, com o estatuto de "vulnerável", tratando-se de "um reconhecimento internacional e científico da ameaça de extinção que a espécie enfrenta".

Para a C6 "acresce que, na data prevista para a abertura da caça à rola, [no domingo] ainda durante o mês de agosto, é provável a existência de muitas rolas em nidificação ainda com crias no ninho e, pontualmente, ovos de posturas tardias ou segundas posturas", o que tendo em conta "a quantidade e a extensão dos incêndios florestais que têm ocorrido em Portugal, esta situação provocará uma quebra ainda maior nas já debilitadas populações selvagens de rola-brava".

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.