"A Sonolenta" de Marta Monteiro vence Prémio Melhor Filme português no Monstra

O filme "A Sonolenta" de Marta Monteiro arrecadou o Prémio de Melhor Filme/Sociedade Portuguesa de Autores/Vasco Granja na Competição Portuguesa do Monstra - Festival de Animação de Lisboa, anunciou hoje a organização.

O festival, que tinha inaugurado a 08 de março, apresentou mais de 500 filmes para adultos e crianças, com destaque para a Estónia, o país convidado, e para o mais recente cinema português.

Na competição de longas-metragens, o filme italiano "Gata Cinderela", dos realizadores Ivan Cappiello, Marino Guarnieri, Alessandro Rak e Dario Sansone, recebeu o Grande Prémio Monstra, anunciou a organização durante a cerimónia de encerramento e entrega de prémios, no Cinema São Jorge, em Lisboa.

Este filme recebeu também o Prémio de Melhor Banda Sonora na mesma categoria, enquanto o filme "Tem um Bom Dia", realizado por Liu Jian (China), ganhou o Prémio Especial do júri, e "A Ganha-Pão", de Nora Twomey (Irlanda/Luxemburgo/Canadá), arrecadou o Prémio do Público.

Na competição de curtas-metragens, o prémio foi para o filme francês "Espaço Negativo", realizado por David Coquart-Dassault (França), enquanto a Melhor Curta-Metragem Experimental foi para "Das Gavetas Nascem Sons", de Vítor Hugo, e a Melhor Curta-Metragem Portuguesa coube a "Água Mole", de Laura Gonçalves e Alexandra Ramires.

Na secção "Curtíssimas", dedicada a filmes com menos de dois minutos, os vencedores foram "CNN Colorscope Black", do britânico Matt Abbiss para Melhor Curtíssima, e "Uma Manhã na Feira", realizado por alunos da Escola Superior de Media Artes e Design (Porto) e do 12º ano, como Melhor Curtíssima Portuguesa.

Na competição de estudantes, o filme "Penelope", de Heta Jäälinoja (Estónia/Finlândia), foi considerado a Melhor Curta de Estudantes, e "The Voyager", realizado por João Gonzalez, recebeu o Prémio de Melhor Curta de Estudantes Portuguesa.

O Grande Prémio Monstrinha foi para o filme inglês "The Box", de Merve Cirisoglu Cotur.

Na competição "Cinema mais pequeno do mundo", o Amendoim de Ouro foi para "Island", de Robert Löbel, Max Mörtl (Alemanha), o Amendoim de Prata para "Disillusionment of 10 point font", de Greg Condon (Estados Unidos da América), e o Amendoim de Bronze para "Handbook for a Happy Scout", de Billy Huntington (Reino Unido).

No domingo vão ser exibidas as curtas premiadas, às 17:00, no Cinema São Jorge, e às 22:00, no Cinema City Alvalade, e o filme "Gata Cinderela", Grande Prémio Monstra, vai ser novamente exibido às 20:00, no Cinema São Jorge.

Da Estónia, possivelmente o país europeu com maior produção de cinema de animação, como afirmou à Lusa o diretor da Monstra, Fernando Galrito, antes do início do festival, foram mostrados cerca de 140 filmes, com a presença de realizadores como Priit Parn, Kaspar Jancis e Priit Tender.

Habitualmente, o festival dedica atenção ao Japão, desta vez com retrospetivas do cinema de Kunio Kato e Koji Yamamura, dois autores premiados com Óscares e que estarão em Lisboa.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.