Obras do Metro de Lisboa condicionam trânsito na 24 de Julho durante 23 meses

Devido à construção da estação de Santos, ao prolongamento das linhas Amarela e Verde, o trânsito na Avenida 24 de Julho vai ser cortado no troço entre a Av. D. Carlos I e a Rua Boqueirão Duro, a partir de quarta-feira. Durante um período previsto de 9 meses (até abril 2023) vão ocorrer desvios de trânsito

O trânsito na zona da Avenida 24 de Julho, em Lisboa, vai estar sujeito a constrangimentos a partir de quarta-feira e durante 23 meses por causa da construção da estação do Metropolitano de Santos, informou hoje a empresa.

Em comunicado, o Metropolitano de Lisboa (ML) explicou que deu início a intervenções na zona da Avenida 24 de Julho no âmbito do Plano de Expansão do metro referente ao Lote 2, que envolve a empreitada de projeto e construção dos toscos entre a estação Santos e o término da estação Cais do Sodré, além de acabamentos e sistemas para o prolongamento das linhas Amarela e Verde (Rato/Cais Sodré) para a linha Circular, que contará com as duas novas estações: Estrela e Santos.

"A concretização destas intervenções implicará a introdução de alguns constrangimentos na circulação nas imediações da Avenida 24 de Julho e da Avenida D. Carlos I ao longo dos próximos 23 meses. As alterações na circulação nestas vias serão realizadas faseadamente", refere a empresa.

Já a partir de quarta-feira, 13 de julho, e durante nove meses (até abril de 2023) vão decorrer desvios na Avenida 24 de Julho, no troço compreendido entre a Avenida D. Carlos I e a Rua Boqueirão do Duro.

Os veículos que circulem na Avenida 24 de Julho em direção ao Cais do Sodré serão desviados para a Avenida D. Carlos I, Rua D. Luís I e Boqueirão do Duro, retomando a circulação na Avenida 24 de Julho, no mesmo sentido (Cais do Sodré).

Já os veículos que circulem na Avenida 24 de Julho em direção a Alcântara serão desviados para a Rua do Instituto Industrial, Rua da Boavista e Avenida D. Carlos I, retomando a circulação na Avenida 24 de julho.

De acordo com o Metropolitano de Lisboa, para que estes desvios de trânsito possam ser viáveis, há necessidade de condicionar lugares de estacionamento nas ruas acima referidas, estando prevista a criação de zonas de estacionamento exclusivas para residentes.

Os desvios de trânsito descritos "não terão impacto na circulação dos elétricos da Carris", frisou o Metropolitano de Lisboa.

Em relação à circulação na ciclovia existente na Avenida 24 de Julho, serão mantidos percursos alternativos devidamente sinalizados que irão contornar as áreas afetas aos trabalhos do metro.

Na nota, o Metropolitano recomenda que, "sempre que possível", seja evitada a circulação na zona de influência das obras, devendo utilizar-se "percursos alternativos que não sejam afetados pelos normais constrangimentos dos referidos trabalhos".

Como percursos alternativos, a empresa sugere o Eixo Alcântara / Santa Apolónia (e vice-versa): Avenida de Ceuta - Avenida Calouste Gulbenkian - Avenida de Berna - Avenida João XXI - Avenida Afonso Costa - Rotunda das Olaias - Avenida Marechal Francisco da Costa Gomes -- Praça Paiva Couceiro -- Avenida Mouzinho de Albuquerque.

É também sugerido o Eixo Infante Santo / Santa Apolónia (e vice-versa): Avenida Infante Santo - Rua da Estrela - Rua de São Jorge - Avenida Álvares Cabral - Largo do Rato - Rua Alexandre Herculano - Rua do Conde Redondo - Rua Joaquim Bonifácio - Rua Jacinta Marto -Largo de Santa Bárbara - Rua Febo Moniz - Avenida Almirante Reis - Praça do Chile - Rua Morais Soares - Praça Paiva Couceiro -- Avenida Mouzinho de Albuquerque.

Já o Eixo Infante Santo / Cais Sodré (e vice-versa) compreende a Avenida Infante Santo - Estrela - Calçada da Estrela - Rua Poiais de São Bento - Calçada do Combro - Largo Luís de Camões - Rua do Alecrim - Cais do Sodré.

Prevista inaugurar em 2024, a linha Circular, que vai ligar a estação do Rato ao Cais do Sodré, numa extensão de mais dois quilómetros de rede, irá criar um novo anel circular no centro de Lisboa, e interfaces que conjugam e integram vários modos de transporte.

Segundo o Metropolitano de Lisboa, estima-se um impacto de procura, no primeiro ano desta linha Circular, "de nove milhões de novos passageiros na linha Circular e de 5,3% em toda a rede", prevendo-se que este novo anel no centro da cidade "vai retirar da superfície 2,6 milhões de veículos de transporte individual por ano".

A expansão da linha Circular tem um investimento total previsto de 240,2 milhões de euros, cofinanciado em 137,2 milhões de euros pelo Fundo Ambiental e em 103 milhões de euros pelo Fundo de Coesão, através do POSEUR -- Programa Operacional de Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos.

"Conscientes que as intervenções ocorrerão numa zona de grande densidade de tráfego, lamentamos, desde já, os transtornos que estes condicionamentos e desvios de trânsito possam vir a causar nas rotinas diárias da população em geral", pode ler-se ainda na nota do Metropolitano.

Quais são os percursos alternativos?

Eixo Alcântara / Santa Apolónia (e vice-versa):

Av. Ceuta - Av. Calouste Gulbenkian - Av. Berna - Av. João XX - Av. Afonso Costa - Rotunda das Olaias

- Av. Marechal Francisco da Costa Gomes - PC Paiva Coucieiro - Av. Mouzinho de Albuquerque

Eixo Infante Santo / Santa Apolónia (e vice-versa):

Av. Infante Santo - Rua da Estrela - Rua de São Jorge - Av. Álvares Cabral - Largo do Rato

- Rua Alexandre Herculano - Rua do Conde Redondo - Rua Joaquim Bonifácio - Rua Jacinta Marto

- LG de Santa Bárbara - Rua Febo Moniz - Av. Almirante Reis - Praça do Chile - Rua Morais Soares

- PC Paiva Coucieiro - Av. Mouzinho de Albuquerque

Eixo Infante Santo / Cais Sodré (e vice-versa):

Av. Infante Santo - Estrela - CC da Estrela - Rua Poiais de São Bento - Calçada do Combro

- LG Luís de Camões - Rua do Alecrim - Cais do Sodré.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG