Moedas justifica saída de reunião pública por motivos pessoais

Carlos Moedas justificou a sua saída da reunião pública por motivos de família negando as criticas feitas pelo PCP que acusavam que o motivo era não querer falar do aeroporto.

O presidente da Câmara de Lisboa, Carlos Moedas, justificou esta quinta-feira a sua saída de uma reunião pública ontem, quarta-feira, antes da apreciação de uma proposta sobre o aeroporto na capital com motivos pessoais, rejeitando as críticas do PCP.

"Não, não há aqui nenhum problema [com o tema aeroporto]. Eu tive que realmente, depois de sete horas, por um ponto pessoal de família, que sair da reunião naquela altura. Não tem nada a ver com não querer discutir aquilo que é o aeroporto para Lisboa", respondeu.

Carlos Moedas falava aos jornalistas ao lado do presidente do PSD, Luís Montenegro, com quem esteve esta quinta-feira num dos espaços da Carris, na zona de Alcântara, onde os cidadãos com mais de 65 anos podem solicitar o passe gratuito para transportes públicos na capital.

"O aeroporto é muito importante, é muito importante termos um novo aeroporto mas essa decisão é uma decisão do Governo e nós estaremos aqui para acompanhar", disse.

Questionado sobre a sua posição quanto ao tema, Carlos Moedas respondeu: "O autarca de Lisboa neste momento vai esperar que o Governo fale com o autarca de Lisboa, que o Governo diga ao autarca de Lisboa o que é que vai fazer", disse.

O PCP acusou na quarta-feira o presidente da Câmara de Lisboa de "fugir a uma discussão incómoda" sobre o futuro do aeroporto Humberto Delgado, por se ausentar da reunião pública antes da apreciação da proposta dos comunistas.

"Não podemos deixar de constatar que é precisamente antes da discussão desta proposta que o presidente opta por se ausentar. Se isto é sinal da importância que o presidente atribui a esta questão decisiva e estratégica, estamos conversados. Se é intenção de fugir de uma discussão incómoda, podia ter encontrado uma forma mais airosa de o fazer", afirmou o vereador do PCP João Ferreira, na reunião pública do executivo camarário.

Depois de mais de sete horas de reunião, que se iniciou pelas 15:00, o presidente da Câmara de Lisboa disse, por volta das 22:00, que teria de se ausentar: "Vou deixar o seguimento da reunião - porque, infelizmente, vou ter que me ausentar - à senhora vereadora Filipa Roseta".

Com a saída de Carlos Moedas, o vereador do PCP João Ferreira acusou a liderança PSD/CDS-PP de "manifesto desrespeito pelos direitos da oposição", referindo que a proposta dos comunistas "Novo Aeroporto de Lisboa: medidas a tomar tendo em vista a sua concretização e a desativação faseada do Aeroporto Humberto Delgado" foi aceite como extra-agenda desta reunião, uma vez que "o presidente não a quis agendar como estava obrigado regimentalmente".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG