Capitães da Areia, uma forma de contar histórias de figuras emblemáticas das praias de Leiria

No âmbito da candidatura leiriense a Capital Europeia da Cultura 2027, o escritor e argumentista André Pereira conta histórias de pessoas que se confundem com dez praias da região.

Dez figuras emblemáticas de dez praias do território da candidatura de Leiria a Capital Europeia da Cultura 2027 estão a ser reveladas este verão em Capitães da Areia, projeto do escritor e argumentista André Pereira.

Depois da vendedora de tremoços de São Pedro de Moel, no concelho da Marinha Grande, e do pescador e empresário da restauração da praia do Pedrógão, no concelho de Leiria, nesta semana conta-se a história de Orlando Faustino, mestre em arte xávega da Praia de Vieira de Leiria.

"Quero falar de pessoas que se confundem com a própria praia", explica André Pereira, frisando que estas são "pessoas anónimas" e não "figuras públicas que toda a gente conhece".

A partir destas conversas, reveladas em fotografia e texto nas redes sociais da Rede Cultura 2027 - que prepara a candidatura de Leiria a Capital Europeia -, a cada quarta-feira fica a conhecer-se um pouco mais sobre as praias e sobre quem quase se confunde com elas. "É quase como perguntar a uma paisagem o que ela está ali a fazer", acrescenta.

Depois de São Pedro de Moel e do Pedrógão, nesta semana segue-se a praia da Vieira. Capitães da Areia prossegue verão fora pelas praias de São Martinho do Porto (Alcobaça), Osso da Baleia (Pombal), Foz do Arelho e Lagoa de Óbidos (Caldas da Rainha), Nazaré, Areia Branca (Lourinhã), praia do Baleal (Peniche) e praia de Santa Cruz (Torres Vedras).

Algumas figuras, como Maria de Lurdes, que vende tremoços, pevides e amendoins em São Pedro de Moel desde 1975, ou uma "chambrista" famosa da Nazaré, André Pereira, já conhecia. Noutros casos, está a descobrir personagens que se confundem com a identidade de cada praia.

"Até agora o que tenho encontrado é muita persistência dessas pessoas. São pessoas mais velhas, todas acima dos 60, 70 anos. São histórias de vida, da escola, de idas à tropa, ao Ultramar, trabalhos muito difíceis de ligação ao mar e à praia em si", conta.

"Como falam as paisagens"

Com Capitães da Areia, André Pereira espera ajudar quem frequenta estas praias atlânticas a conhecê-las um pouco melhor: "Gosto quando vou a algum sítio e conheço esse sítio. Estas pessoas já estão ali há tantos anos, passamos por elas, cumprimentamo-las, fazem parte daquele ritual todo... Conhecendo aquelas pessoas, conhece-se melhor aquele lugar. É uma forma diferente de ver as coisas." Dito de outro modo, "é ver como falam aquelas paisagens".

Para o coordenador da Rede Cultura 2027, Paulo Lameiro, Capitães da Areia revela praias muito distintas entre si, "quer pela sua geografia e flora locais, quer pelas tradições e práticas socioculturais, quer pelas diferentes culturas de trabalho e economia em redor do mar".

No final, em meados de setembro, quando André Pereira concluir a viagem pelas dez praias da "longa e rica costa" da Rede Cultura 2027, será possível, frisa Paulo Lameiro, perceber melhor "uma grande característica do território" da candidatura de Leiria, "a força das pessoas anónimas".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG