Caminhadas em Trás-os-Montes são um sucesso. Só as festas juntam tanta gente

A região transmontana ganhou mais de 1000 quilómetros de novos trilhos, que estão a atrair muitas pessoas de vários pontos do país. É uma nova vida para uma zona de belas paisagens naturais que são agora uma grande fonte de oportunidades para quem lá vive.

A região de Trás-os-Montes ganhou nos últimos anos mais de mil quilómetros de trilhos homologados que se tornaram num novo motivo de atração, sobretudo para as aldeias onde só as festas populares de verão juntam tanta gente como as caminhadas.

A analogia é feita por João Freixinho, presidente da Junta de Freguesia de Vilarinho da Castanheira, que recebeu 150 pessoas numa manhã de domingo para a inauguração de mais um dos oito percursos pedestres existentes no concelho de Carrazeda de Ansiães, distrito de Bragança.

"Só a festa de verão é que tem muita gente", salientou o presidente da Junta, nesta aldeia com muita emigração e onde as cerca de 350 pessoas que ali vivem permanentemente começam a despertar para aquilo que "estão habituadas a ver todos os dias" e que é motivo de interesse para os que vêm de fora.

Criar dinâmica nas aldeias é um dos propósitos do boom dos percursos pedestres que têm surgido por toda a região de Trás-os-Montes, onde "há muito poucos concelhos que não têm percursos homologados" e os que existem somam cerca de mil quilómetros para caminhar. Este número foi avançado à Lusa por Domingos Pires, um dos sócios-gerentes da Portugal NTN, uma empresa criada há sete anos em Mirandela por dois militares, que está direcionada para esta atividade e reflete no quadro de pessoal o aumento do impacto dos percursos pedestres, com 12 trabalhadores atualmente, todos da região.

O trabalho da empresa é a criação dos percursos, desde o trilho às marcas ou sinalética, com as condições de segurança que exige a homologação. O responsável assegura que "tem havido um crescimento e uma aposta muito grande dos municípios" nesta oferta mas, como salientou, não basta implementar o percurso, é preciso haver iniciativa das próprias juntas de freguesia, associações, clubes, que usem a infraestrutura física que está criada para realizar eventos.

"Olhos do Tua" é atração

Domingos Pires deu o exemplo do percurso pedestre de Castanheira do Norte, também em Carrazeda de Ansiães, onde foi criada uma infraestrutura para usufruir do miradouro "Olhos do Tua", "que é um dos mais visitados na região" e já atraiu um projeto turístico para o local. "Está aqui um exemplo que responde cabalmente ao que isto pode ter enquanto potencial e enquanto alavanca para outros setores da economia local", enfatizou.

O café da aldeia é o primeiro a notar esta dinâmica no dia das caminhadas, que juntam pessoas de várias zonas do país, como António Saraiva que saiu de Coimbra de madrugada num domingo para caminhar em Carrazeda de Ansiães. Costuma "correr o país a fazer caminhadas" e costuma deslocar-se com "alguma frequência" a Trás-os-Montes. Ainda há 15 dias tinha estado no Tua e "já há uns bons anos" que anda por Trás-os-Montes, porque gosta "da paisagem, das pessoas e da gastronomia". Neste dia, só fez a caminhada e regressou a Coimbra, mas noutras ocasiões já tem ficado "dois ou três dias".

O melhor destes passeios pedestres é, para António Urbano, "o convívio com as pessoas" e os benefícios para a saúde, pois "caminhar também faz bem". Este ex-emigrante natural da região espera também que "isto ajude a desenvolver um bocadinho" a aldeia, onde um grupo de mulheres locais se juntou na meta de partida, umas para caminhar, outras apenas para ver o movimento. "Isto é muito parado e assim sempre vemos pessoas e já estamos a precisar depois de dois anos de pandemia", atiram. E todas concordam que "é bom" para a aldeia.

Negócios no Vilarinho só o café, mas também há um museu da Memória Rural, que "tem sempre gente aos domingos". "Muitas vezes, as pessoas não dão valor e nem conhecem o património muito rico" que têm e "estes eventos são importantes porque são feitos em várias aldeias aproveitando o que de melhor tem delas", observou uma das participantes, Olinda Barbosa.

O presidente da Câmara Municipal de Carrazeda de Ansiães, João Gonçalves, garante que é preocupação do município promover esta interação com associações e pessoas das aldeias, assim como divulgar outro tipo de património durante as caminhadas. Dos resultados, nota-se, segundo o autarca, que os percursos pedestres aumentaram o hábito dos munícipes de fazer caminhadas e o número de pessoas que visita e passa fins de semana no concelho. Os reflexos estão em "mais investimento na área do turismo, quer investimentos já concretizados, quer intenções de investimento", com realce na restauração, no setor do alojamento local e alguns serviços prestados aos turistas e aos visitantes.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG