Von der Leyen ficou sem cadeira numa reunião com Erdogan

Um erro de protocolo na Turquia está a causar polémica. A presidente da Comissão Europeia ficou sem lugar para se sentar num encontro com líderes europeus. Veja o vídeo.

A visita dos principais líderes europeus ao presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, na terça-feira em Ancara, causou uma enorme polémica em Bruxelas devido a um alegado erro do protocolo, que deixou sem lugar para Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia,​​​​​ se sentar.

Nas imagens de vídeo vê-se Erdogan a receber Charles Michel, presidente do Conselho Europeu, e Ursula von der Leyen, enquanto Erdogan e Michel ocuparam suas cadeiras em frente às respectivas bandeiras, a líder da Comissão Europeia permaneceu de pé sem saber onde se sentar, até ser colocada num sofá, em frente ao presidente turco.

Eric Mmer, porta-voz da Comissão Europeia, disse que Von der Leyen "devia ter-se sentado exatamente da mesma forma que o presidente do Conselho Europeu e o presidente turco". Tendo em conta este episódio, acrescentou Mamer, Von der Leyen preferiu "dar prioridade ao conteúdo da visita em relação ao protocolo".

Von der Leyen instruiu entretanto a sua equipa, a iniciar "conctatos para garantir que um incidente como este não volta a acontecer", completou.

O confuso episódio já está a ser chamado de Sofagate e provocou reações indignadas em Bruxelas, onde foi interpretado como uma afronta.

Na semana passada, pouco antes desta visita, Von der Leyen tinha criticado a Turquia devido à saída da convenção global de prevenção da violência contra mulheres e crianças.

"Primeiro, retiraram-se da Convenção de Istambul e agora deixam a presidente da Comissão Europeia sem assento numa visita oficial. ergonhoso", escreveu no Twitter a deputada espanhola Iratxe García Pérez, líder da bancada social-democrata no Parlamento Europeu.

Enquanto isso, a eurodeputada Sophie in't Veld questionou a razão pela qual Charles Michel permaneceu em silêncio, quando a sua colega Von der Leyen ficou sem cadeira.

Governo austríaco crítica Turquia por tratamento dado a Ursula Von der Leyen

O Governo austríaco criticou hoje a Turquia por aquilo que considerou ser um "tratamento desrespeitoso" à presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, durante a sua recente visita a Ancara.

Na reunião realizada com o Presidente turco, o islâmico Recep Tayyip Erdogan, a líder da Comissão teve que de se sentar num sofá lateral, enquanto o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, foi colocado no centro, ao lado do Presidente turco, um episódio que já é conhecido nas redes sociais como "Sofagate".

"O tratamento desrespeitoso transmite uma imagem profundamente alienante que, alguns dias depois da Convenção de Istambul, só pode ser entendido como uma provocação", afirmou em comunicado a ministra para os Assuntos Europeus austríaca, a conservadora, Karoline Edtstadler.

A ministra austríaca referiu-se à convenção europeia contra os maus-tratos às mulheres e a violência sexista, da qual Erdogan retirou o seu país há duas semanas apesar dos muitos protestos de grupos feministas e outros.

"Se a União Europeia (UE) estende a mão da Turquia para promover o diálogo, o mesmo deve acontecer do outro lado", exigiu Edtstadler, sublinhando que "a igualdade entre homens e mulheres não deve ser atropelada".

Por sua vez, o chefe da diplomacia austríaca, o também conservador Alexander Schallenberg, pediu para não haver ingenuidade em relação à Turquia.

"Ancara já dececionou demasiadas vezes a esperança de uma melhora sustentável. O que precisamos é de uma forma mais realista e pragmática de lidar com a Turquia, sem expectativas cegas da UE", observou Schallenberg.

"As constantes provocações e problemas estruturais demonstram claramente que as negociações (da Turquia) para entrada na UE são uma ilusão à qual a UE não deve submeter-se", concluiu o ministro austríaco.

A Comissão Europeia também assumiu esta quarta-feira estar descontente com o tratamento diplomático reservado a Von der Leyen na reunião em Ancara, na qual só os presidentes da Turquia e do Conselho Europeu tiveram direito a cadeiras.

Muito comentado nas redes sociais, este incidente dominou a conferência de imprensa diária de hoje da Comissão Europeia, em Bruxelas, com o porta-voz Eric Mamer a admitir que "a presidente claramente ficou surpreendida", mas "preferiu colocar a substância à frente do protocolo ou da forma", o que considerou ter sido "a atitude correta".

Perante a insistência dos jornalistas, o porta-voz da Comissão reconheceu que "a presidente deveria ter sido tratada exatamente da mesma maneira que o presidente do Conselho Europeu e o Presidente turco" e revelou que Von der Leyen, precisamente por "esperar que a instituição a que preside seja tratada com o protocolo que merece", já deu instruções à sua equipa para tomar as medidas necessárias para garantir que um incidente semelhante não volte a ocorrer no futuro.

Questionado sobre a leitura que se pode fazer do lugar no sofá que Erdogan reservou a Von der Leyen, aparentemente sexista, Eric Mamer alegou que não lhe cabe "fazer julgamentos sobre as causas que podem ter levado a que lhe tenham oferecido determinado tipo de assento", algo que "só as autoridades turcas podem explicar".

Já quanto à atitude de Charles Michel, que nas imagens se vê a ocupar o seu lugar ao lado de Erdogan e a estender as pernas enquanto Von der Leyen abria os braços em jeito de interrogação, o porta-voz da Comissão escusou-se a tecer comentários, mesmo perante a insistência dos jornalistas, que perguntavam por que motivo não tinha o presidente do Conselho Europeu pedido uma terceira cadeira ou cedido a sua à presidente da Comissão.

Charles Michel ainda não se pronunciou publicamente sobre este incidente protocolar.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG