"Viúva negra" do Japão condenada a pena de morte. Envenenou os companheiros

Chisako Kakehi foi condenada à morte por ter assassinado três companheiros e pela tentativa de homicídio de um quarto. Recorreu a uma agência de encontros para encontrar as vítimas, envenenou-as e recebeu milhões de euros em seguros de vida.

"Um crime cruel e planeado". Foi assim que o juiz caracterizou o esquema levado a cabo por Chisako Kakehi, hoje com 74 anos. A japonesa está no corredor da morte por assassinar três companheiros e pela tentativa de homicídio de um quarto. A todos foi-lhes administrado cianeto. Ficou conhecida como a "viúva negra."

Tudo terá começado em 2007, mas foi só com a morte da última vítima, em 2013, que as autoridades começaram a investigar. De acordo com a CNN, as autópsias são raras no Japão e normalmente só são realizadas quando há suspeita de crime. Foi o que suscitou a morte de Isao Kakehi. Mas já lá vamos.

A "viúva negra" foi condenada à morte em 2017, num dos julgamentos mais longos do Japão e o recurso para anular a decisão foi chumbado no passado mês de junho.

"Usou uma agência de encontros para conhecer vítimas idosas, uma após a outra, e envenenou-as depois de confiarem nela", considerou o juiz, na altura, segundo a estação de televisão estatal NHK. Terá recebido milhões de euros em seguros de vida.

A mulher, que trabalhou numa gráfica, casou-se pela primeira vez em 1969. O casamento terminou 25 anos depois quando o marido morreu de doença.

Cápsula de cianeto entre os medicamentos

Começou depois, em 2007, uma relação com Toshiaki Suehiro, de 78 anos. Ela tinha, na altura, 61 anos. Em dezembro desse ano, o homem ingeriu uma cápsula de cianeto, que estava entre os medicamentos que tomou num almoço com os seus filhos e Chisako.

Em cerca de 15 minutos caiu inanimado no chão e foi levado de urgência para o hospital. Foi o único das quatro vítimas que sobreviveu à "viúva negra", mas ficou com uma "disfunção incurável" e, um ano meio depois, acabaria por morrer por uma causa não associada
à ingestão de cianeto.

Depois de Suehiro, a vítima seguinte foi Masanori Honda, de 71 anos. Em 2011, começaram a namorar, mas não é clara a forma como se conheceram e qual foi o tempo da relação. Honda acabaria por morrer num acidente de moto, depois de ter perdido a consciência. Um acidente que terá acontecido no dia em que o casal se separou.

As provas apresentadas em tribunal mostram que Chisako tinha começado dois meses antes da morte de Honda, em janeiro de 2012, outros relacionamentos através de uma agência de encontros.

Jantar fatídico

Um ano depois surge nos planos da japonesa Minoru Hioki, de 75 anos. Depois de lutar durante anos contra um cancro nos pulmões, a vida parecia começar a sorrir a Hioki. Estávamos em 2013. Estava bem de saúde e apaixonado pela mulher que mais tarde viria a ser chamada de "viúva negra".

A relação, no entanto, durou apenas dois meses. Tudo terminou num jantar fatídico. Como Hioki tomava medicamentos, tal como acontecia com Suehiro, foi fácil para Chisako envenená-lo com uma cápsula de cianeto. Quando terminaram a refeição Minoru Hioki perdeu a consciência.

Estava com muitas dificuldades a respirar quando chegou a ambulância. Apesar de saber que o companheiro tinha filhos e que estava recuperado do cancro nos pulmões, a mulher alegou que ele estava em estado terminal e não tinha família. Recusou que lhe fosse aplicadas as manobras para ressuscitação e Hioki acabou por morrer em duas horas.

Cianeto encontrado num vaso

Não foi preciso muito tempo, apenas dois meses, para voltar a casar-se. Foi em novembro de 2013. Desta vez, a vítima foi Isao Kakehi, cuja morte levantou suspeitas, tendo levado as autoridades a iniciar uma investigação às circunstâncias que culminaram na morte dos companheiros de Chisako Kakehi.

Semanas após o casamento, Isao sofreu uma paragem cardiorrespiratória e morreu uma hora depois no hospital.

Devido à suspeita de crime, foi realizada uma autópsia, tendo sido encontradas quantidades letais de cianeto.

Dias depois desta morte, foram encontradas cápsulas vazias no apartamento da mulher. Passaram-se meses até que as autoridades encontraram vestígios de cianeto num saco de plástico enterrado num vaso de plantas.

Acabaria por ser detida em outubro de 2014 e, após meses de interrogatório, confessou que envenenou Honda, Hioki e Suehiro com cianeto.

As autoridades acreditam que a mulher estaria ainda associada ao homicídio de quatro homens, mas não foi acusada uma vez que não existiam provas suficientes.

As vítimas da "viúva negra" viviam em cidades diferentes e não tinham ligação entre si. As únicas características em comum estavam relacionadas com o facto de serem solteiros, de terem idade avançada e de todos eles terem bens consideráveis.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG