"Um dos dias mais tristes da pesca galega". Sete mortos e 14 desaparecidos em naufrágio no Canadá

Traineira galega afundou num mar agitado a este do Canadá. Há pelo menos três sobreviventes

Pelo menos sete pescadores morreram e outros 14 estão desaparecidos depois de uma traineira galega ter afundado esta terça-feira (15) num mar agitado a este do Canadá, disseram as autoridades espanholas e canadianas.

"Já recuperámos os corpos de sete pessoas e três sobreviventes", disse Brian Owens, do Centro de Coordenação de Resgate Conjunto do Canadá (JRCC), à AFP.

Havia 24 tripulantes a bordo do navio quando a embarcação desceu a cerca de 250 milhas náuticas a este de Newfoundland, com equipas de resgate ainda a procurar os restantes 14 tripulantes, apesar das condições climáticas difíceis.

O Ministério dos Transportes da Espanha identificou os tripulantes como 16 cidadãos espanhóis, cinco peruanos e três ganeses.

"Sete pessoas foram encontradas mortas... três marinheiros foram encontrados vivos num bote salva-vidas, acreditamos que estejam a recuperar, e os restantes não foram encontrados", disse Alberto Nunez Feijoo, presidente da Junta da Galiza, à televisão pública RTVE.

O Villa de Pitanxo, um navio de pesca de 50 metros baseado num porto da Galiza, enviou dois pedidos de socorro que foram recebidos às 5.24 em Madrid, informou o ministério.

Cinco horas depois, outro navio de pesca espanhol que estava na zona avistou dois botes salva-vidas, um dos quais transportava três sobreviventes e vários corpos. Mais tarde, as equipas de resgate encontraram outros quatro corpos.

"Num bote, havia apenas três sobreviventes que estavam em estado de choque hipotérmico porque a temperatura da água é horrível, muito baixa", disse Maica Larriba, representante do governo central da Espanha na região da Galiza, à rádio pública.

A governante disse que os sobreviventes foram transportados para uma zona segura por um helicóptero da guarda costeira canadiana e que os socorristas encontraram dois outros botes salva-vidas que estavam "totalmente vazios" enquanto procuravam um terceiro.

Os socorristas canadianos disseram esperar que mais sobreviventes possam ser encontrados. "O facto de já termos encontrado três sobreviventes num bote salva-vidas dá-nos a esperança de que outros possam entrar entrar em botes salva-vidas e sair do navio", disse Owens, do JRCC, à AFP.

As equipas de resgate canadianas enviaram um helicóptero, um avião militar, um navio da guarda costeira e vários barcos para procurar os tripulantes desaparecidos.

"As condições climatéricas dificultam as buscas. As ondas são de aproximadamente quatro metros e a visibilidade é de aproximadamente um quarto de milha náutica", afirmou Owens.

Ainda não ficou clarificado o que causou o naufrágio do barco.

"Certamente poderemos estar a falar de um dos dias mais tristes para a pesca galega em toda a sua história", disse à rádio pública Javier Touza, chefe da Cooperativa dos Armadores da cidade de Vigo.

"Acompanhamos com preocupação as operações de busca e resgate da tripulação do navio galego que afundou nas águas da Terra Nova", escreveu no Twitter o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez. "Todo o meu amor às suas famílias. O governo permanece em contacto constante com os serviços de resgate", acrescentou.

A ministra do Trabalho, Yolanda Diaz, que é da Galiza, disse estar "chocada" com a notícia do acidente.
"Más notícias estão a chegar do outro lado do Atlântico", publicou no Twitter. "Todo o meu amor e apoio às famílias da tripulação na sua dor neste momento de incerteza", aditou.

O Villa de Pintanxo, uma embarcação de cinquenta metros de comprimento de bandeira espanhola, pertencia ao grupo pesqueiro Nores. Fundada em 1950, esta empresa conta com oito navios frigoríficos e 300 funcionários e está presente em 60 países em todo o mundo, segundo o seu site oficial.

O grupo não respondeu às tentativas de contacto da AFP.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG