Ucrânia é "um cenário de crime", diz procurador do Tribunal Penal Internacional

Na cidade de Bucha, nos arredores de Kiev, o procurador do Tribunal Penal Internacional afirmou que há "boas razões para acreditar que crimes cujo julgamento é da competência do tribunal estão a ser cometidos".

O procurador do Tribunal Penal Internacional (TPI), o britânico Karim Khan, descreveu esta quarta-feira a Ucrânia como um "cenário de crime", durante uma visita à cidade de Bucha, perto de Kiev.

"A Ucrânia é um cenário de crime. Estamos aqui porque temos boas razões para acreditar que crimes cujo julgamento é da competência do Tribunal [Penal Internacional] estão a ser cometidos", afirmou Karim Khan.

"Temos de atravessar a névoa da guerra para chegar à verdade", defendeu o procurador à imprensa, durante a visita à cidade nos arredores de Kiev, onde centenas de civis, segundo as autoridades ucranianas, foram torturados e mortos durante a ocupação russa.

O Tribunal Penal Internacional abriu, em 3 de março, uma investigação sobre a situação na Ucrânia, na sequência da multiplicação de acusações à Rússia de que cometeu crimes de guerra.

Nas últimas semanas foram descobertos dezenas de cadáveres espalhados nas ruas da cidade ucraniana de Bucha, perto da capital do país, após a retirada das tropas russas, o que suscitou uma onda de choque e a condenação unânime da comunidade internacional.

Alguns corpos tinham as mãos atadas atrás das costas e apresentavam sinais de terem sido executados.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, acusou as forças russas de crimes de guerra em Bucha, mas a presidência russa negou qualquer responsabilidade, garantindo que as imagens foram encenadas por Kiev.

Estabelecido em 2002 em Haia, o Tribunal Penal Internacional visa julgar crimes de guerra, crimes contra a humanidade e genocídios.

A Rússia lançou, na madrugada de 24 de fevereiro, uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou quase dois mil civis, segundo dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A guerra causou a fuga de quase 12 milhões de pessoas, sendo que mais de 4,6 milhões foram para países vizinhos.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG