Ucrânia diz que descobriu quatro "locais de tortura" usados pelos russos em Kherson

As autoridades de Kiev encontraram "locais de tortura em quatro prédios".

O Ministério Público ucraniano fez saber, esta segunda-feira, que foram descobertos quatro "locais de tortura" usados pelos russos enquanto ocupavam Kherson, uma cidade no sul da Ucrânia que as forças de Kiev recuperaram em 11 de novembro.

Em Kherson, as autoridades ucranianas "continuam a determinar os crimes da Rússia", afirmou o Ministério Público da Ucrânia na rede social Telegram. A mensagem indica que as autoridades de Kiev encontraram "locais de tortura em quatro prédios".

Entre os quatro prédios visitados pelos investigadores estão "centros de detenção provisória" de antes da guerra, "onde, durante a tomada da cidade, os ocupantes detiveram pessoas ilegalmente e as torturaram brutalmente".

Os investigadores apreenderam partes de "bastões de borracha, um bastão de madeira, um dispositivo usado pelos ocupantes para eletrocutar civis, uma lâmpada incandescente e balas", explicou a fonte, dez dias depois do regresso do exército ucraniano a Kherson.

"O trabalho para estabelecer os locais de tortura e detenção ilegal de pessoas continua", disse o Ministério Público, que observou que também que deseja "identificar todas as vítimas" da ocupação russa.

Desde a reconquista de Kherson, em 11 de novembro, Kiev tem denunciado vários "crimes de guerra" e "atrocidades" russas na região, mas, até ao momento, Moscovo não reagiu às acusações.

Na sexta-feira, um relatório divulgado pelo Observatório de Conflitos dos Estados Unidos referiu que, entre março e outubro, mais de 220 pessoas foram detidas ou desapareceram às mãos das tropas russas em Kherson.

O relatório indicou também que 55 dos detidos ou desaparecidos foram torturados, enquanto cinco morreram durante o cativeiro ou pouco depois da sua libertação. Seis dessas pessoas terão sofrido violência sexual ou de género.

Também o comissário dos direitos humanos do parlamento ucraniano, Dmytro Lubinets, denunciou, na semana passada, terem sido descobertas várias valas comuns, tendo as investigações demonstrado que as forças russas torturaram prisioneiros ucranianos com recurso, por exemplo, a choques elétricos. Também existem relatos de execuções e de espancamentos com barras de ferro.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas -- mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,8 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa -- justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.557 civis mortos e 10.074 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Com Lusa

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG