Talibãs disparam para o ar em Cabul para dispersar manifestação de mulheres

Algumas das manifestantes refugiaram-se em lojas próximas, onde foram perseguidas e agredidas pelos talibãs.

Os talibãs dispararam este sábado para o ar em Cabul para dispersar uma manifestação de mulheres que exigiam o direito ao trabalho e à educação, um ano depois de os islamistas terem chegado ao poder no Afeganistão.

Cerca de 40 mulheres cantando "Pão, trabalho e liberdade" passaram pelo Ministério da Educação antes de um grupo de combatentes talibãs as dispersar disparando para o ar em rajadas, cerca de cinco minutos após o início da marcha, constaram no local jornalistas da agência de notícias AFP.

As manifestantes carregavam uma faixa onde se podia ler "15 de agosto é um dia negro", em referência à data da captura de Cabul em 2021 pelos talibãs.

"Justiça, justiça. Estamos fartos da ignorância", foi uma das palavras de ordem do protesto.

Os talibãs, vestidos com uniforme militar e armados bloquearam um cruzamento em frente às manifestantes e começaram a atirar para o ar. Um deles simulou um tiro fazendo mira sobre as manifestantes, observou um jornalista da AFP.

Algumas das manifestantes refugiaram-se em lojas próximas, onde foram perseguidas e agredidas pelos talibãs.

"Eles dispersaram as mulheres, rasgaram as nossas faixas e confiscaram os telefones celulares de muitas manifestantes", disse Zholia Parsi, uma das organizadoras do protesto.

Alguns jornalistas que cobriam o protesto - o primeiro comício de mulheres em meses - também foram espancados pelos combatentes talibãs, informou um correspondente da AFP.

A tomada do poder pelos talibãs, em 15 de agosto de 2021, representou o regresso ao Afeganistão da interpretação mais severa da lei islâmica ou 'sharia', que retirou por completo às mulheres afegãs os direitos que tinham conquistado nos últimos anos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG