Síndrome de Havana pode ser explicada por emissores de energia

Desde 2016 que vários funcionários da Embaixada dos Estados Unidos em Cuba foram atingidos por lesões cerebrais sem explicação óbvia.

As autoridades dos Estados Unidos anunciaram esta quarta-feira que os peritos em inteligência não identificaram justificação para as aparentes lesões cerebrais relatadas por funcionários norte-americanos em Cuba, a chamada "síndrome de Havana", podendo existir outras explicações, como energia dirigida.

A CIA (Agência Central de Inteligência) anunciou na semana passada que considera improvável que a Rússia ou outro adversário estrangeiro esteja a montar uma ampla campanha para atacar os americanos com dispositivos emissores de energia.

Embora a maioria dos casos tenha sido ligada a outras causas por médicos e peritos, continua a haver um subconjunto menor de várias dezenas de casos que os peritos acreditam poder ser explicado pelo uso deliberado de energia.

Ao examinar a ciência por detrás dos incidentes, o trabalho do painel é o último anúncio sobre uma questão sensível nos círculos diplomáticos e científicos.

Os funcionários e legisladores americanos sublinharam que consideram seriamente as doenças relatadas e que qualquer ataque deliberado ao pessoal dos Estados Unidos seria recebido com uma resposta firme. Mas as agências de inteligência não tornaram públicas provas de que a culpa seja de um adversário.

A incerteza sobre a causa das doenças aumentou a fricção entre os funcionários e os que sofrem de sintomas. Os fatores psicológicos por si só não podem explicar as características apresentadas pelas pessoas nesse menor número de casos, afirmaram os funcionários, que informaram hoje os repórteres, sob a condição de anonimato e regras básicas estabelecidas pelo Gabinete do Diretor dos Serviços Secretos Nacionais.

A utilização de energia eletromagnética pulsada "explica plausivelmente" essas características, tal como a utilização de ondas de ultrassons a curta distância, disseram os funcionários.

Os peritos até agora não identificaram um dispositivo específico que pudesse ter sido utilizado para visar o pessoal americano no terreno.

Os funcionários que informaram esta quarta-feira os repórteres disseram que existiam lacunas significativas naquilo que o governo sabe. Entre as recomendações que o painel fez está a uniformização da informação recolhida nas agências dos Estados Unidos e a criação de novos marcadores para identificar e cuidar o que o governo chama de "incidentes de saúde anómalos".

Os Estados Unidos estão também à procura de formas de proteger os agentes e prevenir casos futuros. Embora os funcionários que informaram os repórteres não especificassem que medidas de proteção recomendaram, instaram qualquer funcionário que acredite ter sido afetado a apresentar-se imediatamente.

"Embora não disponhamos do mecanismo específico para cada caso, o que sabemos é que, quando a situação é reportada rapidamente e os cuidados médicos dados rapidamente, a maioria das pessoas está a ficar boa", disse um funcionário.

Através de uma declaração, o diretor da National Intelligence, Avril Haines, e o diretor da CIA, William Burns, disseram que o governo dos Estados Unidos "continua empenhado em proporcionar acesso aos cuidados de saúde àqueles que deles necessitam".

"Continuaremos a partilhar tanta informação, quanto possível", adiantaram.

Os casos de "síndrome de Havana" datam de uma série de lesões cerebrais relatadas em 2016 na Embaixada dos Estados Unidos, em Cuba. Foram relatados incidentes por diplomatas, oficiais dos serviços secretos e pessoal militar na área de Washington e em destacamentos globais.

A administração Biden enfrentou a pressão dos legisladores de ambas as partes para investigar casos ligados à "síndrome de Havana" e prestar melhores cuidados às pessoas que relataram o início súbito de dores de cabeça por vezes debilitantes, tonturas, e outros sintomas.

O Presidente Joe Biden nomeou na terça-feira um Alto Funcionário de Segurança Nacional para coordenar a resposta do governo a possíveis incidentes relacionados com a síndrome de Havana.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG