Romenos aconselhados a comprar comprimidos de iodo por risco de desastre nuclear

O ministro da Saúde da Roménia, Alexandru Rafila, pediu à população com menos de 40 anos para se abastecer "o mais rapidamente possível" com comprimidos de iodo, dado o risco de um desastre nuclear na vizinha Ucrânia.

A Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) alertou domingo para o risco de "desastre nuclear" na central ucraniana de Zaporijia, ocupada pela Rússia desde março, depois de as instalações terem sido alvo de ataques de novo na sexta-feira, dos quais Kiev e Moscovo se acusam mutuamente.

Esta central, a maior da Europa, está localizada numa região a 700 km da fronteira com a Roménia.

O ministro pediu que os menores de 40 anos "se apresentem o mais rapidamente possível ao médico de família a quem devem pedir a receita", refere a agência de notícias Agerpres.

O Ministério da Saúde divulgou a lista de 2.500 farmácias onde as pessoas com menos de 40 anos -- as mais expostas ao desenvolvimento de cancro e lesões da tiróide devido à radiação -- podem obter os comprimidos gratuitamente.

Após o início da invasão russa da Ucrânia, em 24 de fevereiro, o Governo romeno ordenou à sua indústria farmacêutica que redobrasse a produção de comprimidos de iodo face à possibilidade de um acidente nuclear na antiga central de Chernobil ou noutra instalação em território ucraniano.

Estes comprimidos servem para prevenir a absorção de iodo radioativo, ajudando a eliminar esta substância e reduzir o risco de contrair cancro da tiróide.

O Governo romeno armazenou 30 milhões de comprimidos de iodo para a sua população, temendo o risco de uma catástrofe nuclear na Ucrânia.

Segundo o ministro da Saúde romeno, já hoje a procura destes comprimidos poderá aumentar devido à situação na Ucrânia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG