Príncipe Filipe vai continuar hospitalizado devido a uma "infeção"

Segundo um comunicado do Palácio de Buckingham, o duque de Edimburgo "está confortável e a responder ao tratamento".

O Palácio de Buckingham indicou esta terça-feira que o príncipe Filipe, marido da rainha de Inglaterra, Isabel II, irá permanecer internado num hospital privado de Londres, onde foi admitido na semana passada, para ser tratado de uma "infeção".

A Casa Real britânica não tinha avançado até ao momento detalhes sobre a hospitalização do duque de Edimburgo, que ocorreu na passada terça-feira à noite.

"O duque de Edimburgo vai permanecer no hospital King Edward VII", informou o Palácio de Buckingham, precisando que o príncipe, de 99 anos, "está a receber tratamento médico devido a uma infeção".

"Está confortável e a responder ao tratamento, mas não é expectável que saia do hospital durante os próximos dias", acrescentou a mesma nota da residência oficial da monarca britânica, que na semana passada assegurou que o estado de saúde do duque de Edimburgo não estava relacionado com o novo coronavírus.

Na passada quarta-feira, o Palácio de Buckingham indicou que a hospitalização do príncipe Filipe, que irá celebrar 100 anos no próximo dia 10 de junho, tinha ocorrido por "precaução" devido a uma indisposição.

O príncipe Eduardo, o filho mais novo de Isabel II e Filipe, afirmou em declarações ao canal britânico Sky News que o pai "estava muito melhor" após uma semana de internamento e que estava desejoso para ter alta hospitalar.

Filipe, também designado por duque de Edimburgo, retirou-se das funções públicas em 2017 e raramente aparece em público.

Durante a atual pandemia, o duque tem estado a viver no Castelo de Windsor, nos arredores a oeste de Londres, acompanhado da rainha Isabel II, com um grupo restrito de empregados para reduzir o risco de transmissão do novo coronavírus.

Recentemente foi divulgado que o casal real recebeu as primeiras doses da vacina contra a doença covid-19 em janeiro, uma vez que integram o grupo prioritário de pessoas com mais de 85 anos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG