Pelosi termina visita a Taiwan com promessas de apoio dos EUA

A visita de Nancy Pelosi a Taiwan durou menos de 24 horas e terminou com uma reunião com a chefe de Estado da República da China, Tsai Ing-wen.

O avião que transporta a presidente do Congresso norte-americano, Nancy Pelosi, descolou às 18:01 locais (10:01 em Lisboa) do aeroporto de Songshan, Taipé, depois duma visita em que prometeu que os "Estados Unidos não vão abandonar Taiwan".

A visita de Nancy Pelosi provocou indignação política em Pequim que reclama Taiwan (República da China) como parte integrante da República Popular da China.

Pelosi permaneceu menos de 24 horas em Taiwan, visitando esta quarta-feira o Parlamento de Taipé antes da reunião com a chefe de Estado da República da China, Tsai Ing-wen.

Em resposta, o Exército Popular de Libertação enviou na terça-feira 21 aviões militares para a Zona de Identificação da Defesa Aérea de Taiwan, informou o Ministério da Defesa da República da China em comunicado.

Paralelamente, Pequim impôs, pelo segundo dia consecutivo, sanções comerciais a Taiwan proibindo a importação de citrinos, rebentos de bambu congelados e dois tipos de peixe, bem como a bloqueou a exportação de areia para a República da China.

O chefe da diplomacia de Pequim, Wang Yi, disse que "aqueles que ofendem a China devem ser punidos de forma inelutável" referindo-se à visita de Nancy Pelosi, presidente do Parlamento norte-americano.

"Trata-se de uma farsa pura e simples. A coberto da democracia, os Estados Unidos violam a soberania da [República Popular da] China", acrescentou o ministro à margem de uma reunião da Associação dos Países do Sudeste Asiático (ASEAN) na capital do Cambodja.

Taiwan mantém o tom de desafio perante ameaças chinesas

Taiwan prosseguiu com o tom de desafio esta quarta-feira após as ameaças chinesas, que pretende organizar exercícios militares perto da ilha em retaliação pela visita da presidente da Câmara de Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi.

A presidente de Taiwan Tsai Ing-wen declarou que "ante as crescentes e deliberadas ameaças militares, Taiwan não vai recuar". "Vamos manter a linha de defesa da democracia", vincou

O Governo do Partido Comunista Chinês reclama a soberania sobre a ilha desde que os nacionalistas do Kuomintang liderados por Chiang Kai-shek foram derrotados pelas forças comunistas chefiadas por Mao Tsé-Tung durante a guerra civil na segunda metade da década de 1940.

Os nacionalistas refugiaram-se na ilha do Estreito da Formosa e estabeleceram em Taiwan, em 1949, a República da China (ROC - sigla oficial) - fundada em 1912 por Sun Yat-sen, em Nanquim.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG