Pelo menos 40 mortos no Paquistão em colisão de dois comboios

O Millat Express descarrilou e o comboio Sir Syed Express atingiu-o pouco depois esta segunda-feira no sul do país

Pelo menos 40 pessoas morreram hoje e dezenas ficaram feridas na sequência da colisão de dois comboios expresso no sul do Paquistão, segundo um novo balanço das autoridades.

O choque entre os dois comboios expresso deu-se hoje de madrugada no distrito de Ghotki, na província de Sindh, e conta com equipas de resgate militares e paramilitares, helicópteros e ambulâncias para executar uma operação de salvamento das dezenas de pessoas que ainda estão presas nas carruagens.

O balanço atualizado das autoridades aponta para mais de 100 feridos.

As autoridades anunciaram que mais de cem dos cerca de 1.100 passageiros que estavam a bordo dos dois comboios ficaram feridos, tendo os feridos graves sido transportados de helicóptero para o hospital da cidade mais próxima.

O Millat Express descarrilou e o comboio Sir Syed Express atingiu-o pouco depois, disse Usman Abdullah, um agente da polícia no distrito de Ghotki, na província de Sindh, onde ocorreu a colisão.

Entre 15 a 20 passageiros ainda estão presos nos destroços do comboio Millat Express e as autoridades estavam a tentar arranjar maquinaria pesada para resgatar as pessoas que, disse.

Mohammad Amin, um dos passageiros do 'Millat Express' que sofreu ferimentos ligeiros, revelou à agência noticiosa Associated Press que estavam mecânicos a trabalhar numa das carruagens, antes da partida do comboio da cidade portuária de Karachi.

"Neste momento, o desafio para nós é salvar rapidamente os passageiros que ainda se encontram presos nos destroços", acrescentou.

De acordo com as autoridades ferroviárias, cerca de 1.100 passageiros estavam a bordo dos dois comboios.

De acordo com uma declaração militar, as tropas também estavam a participar no socorro e salvamento no local e foram enviados médicos militares e ambulâncias de uma cidade próxima.

O primeiro-ministro paquistanês expressou o seu profundo pesar pela tragédia. Imran Khan disse na rede social Twitter que tinha pedido ao ministro dos caminhos-de-ferro para supervisionar os trabalhos de salvamento.

As autoridades disseram que pelo menos 50 passageiros tinham sido transportados para o hospital, onde alguns se encontram em estado crítico.

O ministro da Ciência e Tecnologia do Paquistão, Azam Swati, dirigiu-se ao local do acidente e disse que vários engenheiros e especialistas estavam a tentar determinar o que causou a colisão e que todos os aspetos seriam examinados, incluindo a possibilidade de sabotagem.

O presidente do Secretariado da Ferrovia do Paquistão, Habib-ur-Rehman Gilani, afirmou que o segmento das vias-férreas onde ocorreu a colisão era antigo e precisava de ser substituído.

O primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, apresentou os seus pêsames às famílias das vítimas, acrescentando, na sua conta da rede social Twitter, que pediu a Gilani para supervisionar os trabalhos de salvamento e investigar as causas do acidente.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG