"Não. Não": O recado de Biden para Putin sobre armas nucleares na Ucrânia

Moscovo está a enfrentar novas críticas do Ocidente após a descoberta de uma vala comum nos arredores da cidade de Izium, anteriormente ocupada pelos russos.

O presidente dos EUA, Joe Biden, fez um aviso ao seu homólogo russo, Vladimir Putin, contra o uso de armas químicas ou nucleares táticas após sérias perdas de Moscovo na guerra na Ucrânia.

"Não. Não. Não", disse Biden no trecho de uma entrevista ao "60 Minutos", da CBS, que foi para o ar na noite de sexta-feira. O presidente dos Estados Unidos respondeu desta forma quando questionado sobre a possibilidade de Putin - cujo exército está a sofrer pesadas perdas na contra-ofensiva da Ucrânia deste mês - recorrer a armas nucleares químicas ou táticas. "Você mudaria a face da guerra de uma forma diferente de tudo desde a Segunda Guerra Mundial", disse Joe Biden.

"Eles tornar-se-ão mais párias no mundo, mais do que nunca", acrescentou o presidente dos EUA.

A Ucrânia recuperou zonas de território no leste do país nas últimas semanas, impulsionados por armas pesadas fornecidas pelos aliados ocidentais.

E Moscovo está a enfrentar novas críticas do Ocidente após a descoberta de uma vala comum nos arredores da cidade de Izium, anteriormente ocupada pelos russos, onde, segundo as autoridades de Kiev, quase todos os corpos exumados apresentavam sinais de tortura.

Enquanto isso, Vladimir Putin continua a afirmar que a invasão da Ucrânia está a decorrer como planeado.

"O plano não está sujeito a ajustes", disse o presidente russo na sexta-feira. "As nossas operações ofensivas no Donbass não param. Estão em ritmo lento... O exército russo está a ocupar territórios cada vez mais novos."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG