Moscovo acusa Kiev de atacar central nuclear

O secretário-geral da ONU, António Guterres, avisou que qualquer ataque contra uma central nuclear é "um ato suicida".

A Rússia acusou esta segunda-feira as forças ucranianas de atacarem a maior central nuclear da Europa e fez um alerta sobre as potenciais "consequências catastróficas" para o continente.

O bombardeamento das instalações da central nuclear de Zaporizhzhia "por parte das Forças Armadas ucranianas é uma atividade potencialmente extremamente perigosa, que pode ter consequências catastróficas para uma vasta região, incluindo o território da Europa", declarou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

Já a Ucrânia acusa o exército russo de atacar as instalações da central nuclear.

Também esta segunda-feira, o secretário-geral da ONU, António Guterres, avisou que qualquer ataque contra uma central nuclear é um "ato suicida". Um alerta que surge depois de um novo bombardeamento que atingiu o complexo nuclear no sul da Ucrânia.

O ataque de sexta-feira levou o diretor geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Rafael Grossi, a alertar para um "risco muito real de desastre nuclear".

Em conferência de imprensa em Tóquio, Guterres condenou os ataques à central nuclear, sem responsabilizar nenhuma parte.

"Qualquer ataque contra uma central nuclear é um ato suicida. Espero que os ataques terminem e, ao mesmo tempo, espero que a AIEA consiga ter acesso ao local", afirmou.

As declarações do secretário-geral da ONU foram proferidas depois de visitar Hiroshima no fim de semana, onde discursou por ocasião do 77º aniversário do primeiro ataque com bomba atómica no mundo.

O português, de 73 anos, também fez uma dura advertência sobre os horrores das armas atómicas há uma semana em Nova Iorque, durante uma conferência do Acordo de Não Proliferação Nuclear (TNP).

A humanidade está "a apenas um mal-entendido, a um erro de cálculo da aniquilação nuclear", disse Guterres, antes de pedir ao mundo para se desfazer das armas nucleares, "a única garantia de que nunca serão utilizadas"

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG